terça-feira, dezembro 22, 2009

E QUEM NÃO TEM FAMÍLIA, O QUE FAZ ?

Na memória da minha infância, os Natais eram tempos de muita gente a falar ao mesmo tempo, de longos abraços, do cheiro à caruma dos pinheiros, do murmurar do mar lá em baixo, na baía. Passávamos o Natal em S. Martinho do Porto, terra natal dos meus avós e dos meus pais. Muito mais tarde, houve muitos Natais na Golegã, com a família da minha mulher, amigos de coração grande, ribatejanos de antes quebrar que torcer. Foram também Natais mágicos, a lareira com velhos troncos retorcidos a estalar, enquanto nós, de pé, beberricando uma aguardente ou um uisque, virávamos as costas ao lume, uma mão apoiada na trave seca e lustrosa.
Depois, oh meu Deus, depois vieram outros Invernos que me levaram toda a gente que eu amava. Um a um, quase todos sairam do meu presépio, já não vejo ninguém por perto, à excepção da minha filha. Ciumentos das alegrias passadas, estes Invernos tiraram-me toda a vontade de viver o Natal. Para muitos como eu, homens sózinhos a recordar o passado, o Natal pode ser terrívelmente triste e deprimente.
Por isso me viro para o significado primitivo e puro do Natal : o nascimento de um Menino que mostraria como perder a própria vida pode ser necessário para que o sonho de amor pelos outros possa continuar a viver.
E é assim, afinal, que quero passar o meu Natal, com a minha filha e os nossos gatos : lembrando aqueles que já nos deixaram e glorificando a pureza de alma e a coragem do Menino Jesus. E lamentando que essas virtudes andem tão arredias deste nosso País atribulado ...

sábado, dezembro 12, 2009

PARECEM UM BANDO DE GAIVOTAS A GRASNAR !

Já não consigo suportar debates, grandes programas sobre a actualidade portuguesa, discussões infindáveis. Repugnam-me, cheiram-me a pôdre, enervam-me, provocam-me suores. Meus senhores e senhoras : não conversem mais, não se oiçam mais a vós próprios, por amor de todos nós, ou das vossas famílias, ou de Deus, ou de quem quiserem : deixem-se de paleios e façam coisas. Res non verba, diziam os latinos, que é como quem diz : menos paleio e mais acção !

quinta-feira, dezembro 10, 2009

quarta-feira, dezembro 09, 2009

ASSUMAMOS A NOSSA MANEIRA DE SER !

Os homens e mulheres que habitam o nosso planeta são seres muito diferentes entre si. Como os gelados, they come in all flavors ( á americana ). Há-os bonitos, feios e assim-assim. Há-os divertidos, embezerrados, calados e faladores. Há-os inteligentes e há-os burros. Também há Sara Palin, para além de todas as classificações. E, depois dessa variedade enorme, há ... os portugueses. Extraordinários. Enormes. Incapazes de organizar um País decente, apesar de terem todas as ferramentas para tal. Especialistas da futilidade, da superficialidade, da corrupção, da cunha, do conheço um gajo que ... Génios na análise e identificação dos problemas, mas completamente ineficazes, depois, na sua solução, desde que exija trabalho e perseverança. Masoquistas ? Preguiçosos ? Simplesmente incompetentes ? Confesso que não consigo perceber.
Há quantos anos se fala em melhorar a Justiça ? E a Educação ?
Não, nada feito, muito complicado, tudo isso. Há que começar devagarinho, por outro lado. Talvez oferecer computadores aos putos, talvez juntar várias burocracias num local unico, tipo loja do cidadão. Coisas assim, ainda se fazem. Devagar, claro.
Mas justiça e educação, a sério ? Tá quieto óh malandro !
Bom, não é bem assim : fazem-se grandes programas na TV, com dezenas de peritos, vários curiosos e uma senhora meio esganiçada, armada de uma deficiente cultura, sempre a colocar perguntas inteligentíssimas. Também se organizam livros brancos, simposiums, workshops, tudo ao mais alto nível, senhores e senhoras bem vestidas, sérias, compenetradas, com abordagens originalíssimas aos temas propostos. Portanto, alguma coisa se faz. Na justiça, os dois maiores partidos nacionais até já fizeram um pacto de regime !
O pior é passar á prática. Aí tudo se complica ! Somos mesmo bons na falta de eficácia : quando se tenta introduzir um sistema informático na Justiça, para acelerar tudo, logo a seguir mudam-se uns quantos Códigos do sector e deita-se tudo de pantanas outra vez. Para complicar, até o sistema informático dá barraca atrás de barraca, paralizando mais as coisas do que quando eram feitas á mão ...
E não se riam os fanáticos do PSD, pensando que estou a desancar o Governo do PS. Por uma vez, declaro alto e bom som que o vírus é transversal á sociedade portuguesa. Apenas escapa o PC e, mesmo assim, apenas no que respeita á festa do Avante. No resto, são como os outros, só paleio, comícios, congressos e pouco mais.
Meus amigos, os portugueses são assim. Nada a fazer. Deve ser do clima, ou do bom vinho, ou da gastronomia, sei lá. Nada a fazer.
Proclamemos, pois, a nossa felicidade em ser tal como somos. Sejamos puros e verdadeiros, confessemos a nossa incapacidade de construir um país decente. E, tal como no futebol, contratemos um brasileiro para nos governar. Afinal, até eles estão a fazer melhor que nós !!!

sexta-feira, dezembro 04, 2009

A VIDA INTERNA DOS PARTIDOS INTERESSA APENAS AOS PARTIDOS ??

Fala-se muito em democracia mas pratica-se pouco. Como na religião, em que muitos se reclamam católicos ( ou protestantes ou islâmicos ou budistas ... ) mas poucos seguem os respectivos mandamentos. Pratica-se pouco e reflecte-se ainda menos.
A democracia, em sentido lato, exige igualdade de direitos e de possibilidades para todos. Na realidade, é o oposto que se passa.
Olhem para o singular percurso de “carreira” de algumas das actuais figuras cimeiras nos nossos partidos políticos e vejam como a democracia foi “retorcida” até mais não poder. Ao contrário de Soares, Cunhal, Sá Carneiro ou Freitas do Amaral, muitos “subiram” as escadas de acesso aos circulos do poder guindados pela mão de um amigo, conterrâneo ou protector, sem qualquer tipo de curriculo prático ou mesmo teórico. Queimaram etapas, aparecendo em posições de destaque nos aparelhos partidários sem qualquer relação com os seus méritos políticos ou de militância. Muitas vezes, fizeram percursos paralelos em orgãos de comunicação, em “acumulação”, alcançando uma notoriedade falsa, apenas por “aparecer” nos jornais ou na TV.
Este percurso que traço engloba pessoas tão diferentes como Paulo Portas, Santana Lopes, Sócrates ou mesmo Cavaco Silva, pessoas que usaram processos “acelerados” de conquista de lugares de relevo nos respectivos partidos ou que para eles se viram atirados por causa da rodagem do carro ... Não estou a tentar diminuir-lhes os merecimentos, apenas me limito a verificar que utilizaram mecanismos de catapultagem política e que poucas ou nenhumas provas tinham dado até se tornarem “notáveis”.
É bom ? É mau ?
Depende, não é ? Para mim, é mau. Ficamos á mercê de todos os “habilidosos” que quiserem utilizar estes mecanismos. Só por um bamburrio da sorte estas pessoas virão a ser bons políticos, gente com capacidade para construir destinos. Temos que concluir que a democracia é refém, nos nossos dias, de coisas como o marketing e o jogo de influências. Num Mundo em que tudo se regulamenta, a tudo se aplicam normas rigorosas, porque motivo ainda ninguém tentou disciplinar a “carreira” dos militantes dentro dos partidos ? É uma questão puramente interna dos mesmos ? Uma ova é que é, quando os chefes desses partidos se tornam logo a seguir em primeiro-ministros e em presidentes ! E em directores disto e daquilo.
Convenhamos : um dos grandes, enormes problemas da nossa democracia é proveniente disto mesmo, do mecanismo totalmente ineficaz e completamente enviezado que os partidos, todos os nossos partidos, usam para escolher os seus “melhores”. E sabem que mais? Recuso-me a acreditar que estas pessoas, assim seleccionadas e por nós ratificadas, à falta de outras, sejam as melhores que o nosso País tem para nos governar.
Não são por certo, tempos houve em que sabíamos encontrar homens que nos levavam á India e ao Brasil. Agora contentamo-nos com homens e mulheres que apenas chegam a Bruxelas.

domingo, novembro 22, 2009

AH, OS ALMOÇOS DA MALTA DO LICEU !!

Ontem, sábado, saí da minha concha e estive a almoçar com amigos na Casa do Ribatejo. Malta do meu tempo de Liceu, em Santarém.
É algo sempre agridoce. É triste chegar e ver aqueles homens e mulheres já velhotes, com 66 ou 67 anos. É bom, porque apesar dos cabelos brancos ou da falta deles, ainda lá está o espírito brincalhão, ainda lá estão os rapazitos atrevidos e as miudas divertidas. Regressei de lá, já tarde, com aquele sentimento de gratidão pelos anos vividos e compartilhados. Também com um aperto no coração, porque o tempo continua a fazer tic-tac e as pilhas não são Duracell ...

sábado, novembro 14, 2009

DIGAM-ME, ÓH ENTENDIDOS DESTAS COISAS : SERÁ INEVITÁVEL ISTO ?


Muitos dos políticos em Portugal, sobretudo dos que militam nos partidos ligados ao poder, perderam já o norte. Perderam a vergonha, perderam o bom senso e em seu lugar, deixaram crescer um forte sentimento de impunidade. A forma como discutem e argumentam há muito que transpôs o limiar da inteligência, do rigor e da verdade. Importa-lhes a todo o custo defender o partido porque, no fundo, o partido é o tacho. E se não é o tacho, em termos materiais, é pelo menos a fonte do reconhecimento e realização pessoais.
Pergunto, angustiadamente : há alguma forma de modificar esta gente ? Há alguma forma de trazermos de novo a decência e a honestidade para esta arena ? Será possível colocar nestas cabeças que o objectivo deles deve ser o nosso bem estar colectivo e não o bem estar pessoal deles e das famílias ??
Não me chamem extremista nem alarmista por favor, mas o cheiro que me chega desta gente é nauseabundo.

quarta-feira, novembro 11, 2009

UMA ESTRANHA FORMA DE FAZER JUSTIÇA

Já perceberam agora para que devia servir o segredo de justiça ?
Se não tivesse havido aquelas fugas, não estaria agora o sr. Presidente do STJ e o sr. Procurador-Geral no meio de um lindo molho de bróculos. Assim, vão ter que explicar muitas coisas, por exemplo os porquês da invalidação das escutas e o que raio continham as mesmas.
Faça-se aqui uma simples reflexão : então, se as escutas ao PR, PM e não sei quem mais têm sempre de ser pré-autorizadas pelo Presidente do STJ, que fazer quando, como foi neste caso, se “tropeça” numa qualquer ilegalidade ( suponhamos que é o caso ... ) de uma dessas entidades, no momento em que se escuta uma outra pessoa ? Manda-se a questão para o lixo ?
E como será possível obter a anuência do sr. Presidente do STJ para uma escuta destas antes de se conhecer qualquer indício de ilegalidade que, por sua vez, só se conhecerá se a escuta for feita ?
Hummmm, parece-me, à primeira vista, que arranjaram aqui um bom nó cego. Apenas parece que, por mais que nos queiram convencer do contrário, a Justiça não trata todos de igual maneira ...
Bem, mas nem sequer era esta a orientação que eu tinha em mente para estas palavras. A minha estranheza é diferente e tem a ver com a essência das pessoas e dos princípios. Só posso dizer isto : se fosse eu a ter tido conversas com o sr. ( dr. ? eng. ? ) Armando Vara, garanto-lhes que seria EU, nesta mesma hora, a exigir ao Presidente do STJ e ao sr Procurador-Geral que tudo fosse aclarado, incluindo o conteúdo das conversas.
Mas isto sou eu, claro, que não tenho amigos influentes nem me ralo nada com o grande buraco nas contas do amigo Joaquim ...

domingo, novembro 08, 2009

CORRUPÇÃO E SEGREDO DE JUSTIÇA

De todas as reacções ao recente caso de corrupção envolvendo ex-políticos ( do PS, neste caso ) convertidos em gestores, acho particular piada aos que se mostram muito preocupados com as quebras do segredo de justiça.
De facto, essas pessoas não se mostram indignadas com a crescente disseminação do virus CORRUPÇÃO na nossa sociedade ; também não me parecem particularmente apreensivas quanto á proximidade perigosíssima entre essas pessoas “infectadas” e os centros do poder político ; finalmente, não os oiço censurar as “ligações perigosas” dos políticos que vão ocupar cargos de gestão em organismos públicos ( e privados ) ...
Não, esses senhores estão preocupados é com aqueles que deixam sair esses factos para o conhecimento público. Ou seja, o mal não está na coisa em si ( na corrupção ), o drama reside na difusão pública da coisa.
Admito que não seja exactamente esta a leitura dessas pessoas. Contudo, se atentarem bem no que dizem, esta é uma interpretação legítima que imediatamente se retira.
Acresce outro ( grande ) pormenor : já alguém se preocupou em tentar perceber porque acontecem tantas fugas de informação ? Já ?
Para mim há uma razão óbvia. Se eu fosse investigador da PJ e descobrisse factos graves e ilicitos que envolvessem figuras gradas da vida política nacional, provavelmente também eu faria chegar ao conhecimento publico parte desses factos. Estão a ver porquê, não estão ?
Ah pois ... é que assim seria muito mais dificil alguém escamotear esses factos, ou esquecer-se deles debaixo de uma resma de papéis e de nunca mais chegarem a julgamento.
Pois ... assim vistas, as fugas de informação mais não serão que manifestações claras de desconfiança na máquina da justiça, em todas ou algumas das suas fases.
Não sei, ao certo, se é essa a explicação ou não, confesso.
Mas que faz todo o sentido, faz. O que não faz sentido é perante toda esta vergonha ( ou falta dela ) pormo-nos a lamentar a quebra do segredo de justiça ...

terça-feira, novembro 03, 2009

A MINHA GATA E O PRESÉPIO
Sim,eu sei que ainda é muito cedo, mas que querem, não resisti. Vinha um dia destes do mercado com a minha filha e vimos um presépio, numa montra. Olha, pai ... que bonito, não era giro lá em casa ? Era. Acabou mesmo cá em casa, depois de eu ter ficado uns euros mais leve. Uma vez em casa, para quê esperar ? Pomos já as figuras em acção, não há nenhuma lei contra, pois não ? E aí estão, o S. José, a Nossa Senhora e o Menino Jesus. Palpita-me que as vestes são um tanto ou quanto ricas e vistosas demais, não acredito que os pais do Menino se vestissem assim, naquela viagem. Mas que se lixe, não é isso que conta, pois não ? E confesso que esse Menino foi sempre um dos meus ídolos. Não tanto por se reclamar Filho de Deus, qualidade que em nada o ajudou a cumprir a sua missão, parece-me, mas sim por ser um Homem justo, bom, íntegro e apaixonado pela justiça social.
Bem, já me esquecia de algo importante : é que a minha gata também gostou das figuras. Gostou e até acho que percebeu a história. Olhem para ela, toda compenetrada ! A mim, sem ofensa nem blasfémia, parece-me que a Lili, a minha gata, deve ter reparado que não havia nem burro nem vaca no presépio e vai daí ... foi ela para lá. Assim, não há burro nem vaca ... mas há gata !
E viva o espírito de Natal, que para mim sempre foi o de celebrar o nascimento de um Homem como deviam ser todos !

domingo, novembro 01, 2009

É óbvio, para qualquer espectador atento da vida nacional, que o nosso Governo, em especial o Ministério da Educação, está a aplicar critérios muito estranhos no que respeita às Escolas e á gripe A.
Primeiro, veja-se o que eles dizem. Sustentam os responsáveis que não faz sentido suspender uma turma ou encerrar uma Escola a menos que a taxa de incidência da gripe nessa turma ou escola seja superior á que existe na comunidade que envolve a escola.
Palavras bonitas ... mas totalmente desprovidas de sentido. É que, se fizerem as contas, basta 1 aluno doente numa turma para que a taxa de incidência na turma ( 1 em 30 ) seja superior á da comunidade.
Então, porque não suspendem e não fecham ?
Agora li esta notícia :


Vêem ? As ditas autoridades do ME e de saúde pública NÃO estão mesmo interessadas em fechar turmas ou escolas. Por eles, é até não haver mais ninguém saudável nas turmas !!
Porque motivo será ? Haverá justificações técnicas ?
Não sei, mas duvido muito.
O que decerto o ME e o MS pretendem é evitar, A TODO O CUSTO, o alarme geral e o sentimento desfavorável na opinião publica de atirar os jovens para a guarda dos pais. Por isso, há que aguentar as aulas, devem pensar.
Quem se lixa ?
Para começar, os alunos ainda não infectados que existam na turma. Depois, os professores dessa turma. Mas tudo bem, isso já não preocupa o ME+MS, pois não ?
É por essa e por outras ( tais como os critérios de prioridades para as vacinas ... ) que considero a chamada “saúde pública” uma disciplina muito sui-generis, onde o individuo é frequentemente desprezado e deixado entregue aos bichos em nome de critérios altamente distorcidos e enviezados, sob a capa do interesse comum.
Porque raio é que qualquer ministro ou deputado deve ter prioridade sobre algum outro cidadão ? Faz assim tanta falta ? É só ver a facilidade com que se fazem novos ministros para perceber que é uma completa parvoíce, essa prioridade.
DAR ÁGUA A QUEM TEM SEDE
Não se consegue viver sempre com raiva, a odiar isto e aquilo. É simplesmente uma lei básica da natureza. E ainda bem que assim é, porque este nosso país cansa muito e eu já não tenho idade para andar sempre em pé de guerra.
Portanto, de vez em quando, meto férias e descanso dessas crispações de viver em Portugal e de não ser cego nem surdo.
Nessas alturas, tento sentir-me em paz com os outros e com o universo.
Desta vez, tive uma recompensa inesperada. Mão amiga fez-me chegar uma foto, alegadamente tirada na Austrália, durante este terrível surto de incêndios. Um bombeiro estende uma garrafa de água a um coala, e este bebe, com um olhar onde julgo ver reconhecimento, a sua pata na mão do homem. A foto está aí, olhem para ela e digam-me o que sentem.
Eu sinto um aperto enorme no coração e, ao mesmo tempo, vontade de chorar, chamem-me mariquinhas se quiserem. Depois, quando a racionalidade regressa e se sobrepõe á emoção, penso cá para os meus botões : porque é que nós só sentimos esta solidariedade algumas vezes e não sempre, para todos os seres humanos, bichos e plantas ? Porque é que tantas vezes nos esquecemos dos sentimentos básicos e agimos como feras ou mesmo como bestas ávidas de poder e dinheiro ?
Que raio, malta, as coisas podiam ser tão mais simples e boas para todos, se não andassem por aí uns quantos ( desculpem ) sacanas a querer tudo para eles ! E pronto, lá se foi o intervalo de paz, voltou a inquietude e a raiva surda ...

quinta-feira, outubro 29, 2009

GANÂNCIA E FALTA DE ESCRÚPULOS

Por vezes, dá a ideia de sermos um país divido em três partes : um terço são corruptos, outro terço são corruptores e os restantes são incompetentes, incapazes de colocar atrás de grades os outros dois terços.
Um país assim não vai a lado nenhum.

>

>

>

quarta-feira, outubro 28, 2009

Histórias de predadores
Uns estão em extinção e, para a sua sobrevivência, levamo-los em jaulas para recintos próprios ; os outros, estão em proliferação exponencial e, de uma forma ou de outra, acabam sempre por fugir da jaula. Semelhantes ? Nunca, nem pensar : uns são bichos lindos, nobres, a quem andamos irresponsavelmente a roubar o habitat ; os outros são bichos de ar sombrio, nada nobres e que não se deixam roubar, muito pelo contrário.

terça-feira, outubro 27, 2009

As barbichas na Direcção-Geral de Saúde
A questão da gripe A trouxe para a ribalta o director-geral de saude do Ministério da Saúde. E um dos seus três sub-directores.
Que me desculpem estes senhores, mas não resisti a pensar, ao olhar para as suas fotos : será que é obrigatório usar bigode e barbicha para ser dirigente na direcção-geral de saúde ? Ou é apenas por solidariedade do sub-director para com o chefe ? Ou é para criar empatias e vantagens na classificação no sistema de avaliação de mérito ?
Ou trata-se, afinal, de uma arma na luta contra a gripe A ? Em vez de máscara, a filtragem do virus é feita por capilaridade através da barba e do bigode ?
Seja o que for, gosto daquele estilo retro ...

sábado, outubro 24, 2009

Este estimável senhor, todos os anos pelo Outono, diz o mesmo. Este ano o mote é aquilo que ele chama de "realismo" salarial. Não sei por que carga de água este senhor se julga com direito a fazer estas recomendações, nem sequer sei se alguém o ouve e leva a sério.
Até posso admitir que este ano faz sentido o que diz, mas isso não muda a profunda indignação que sinto sempre que vejo este anafado senhor a dizer estas coisas. É preciso descaramento para alguém que ganha mais de 20.000 euros por mês vir falar em realismo salarial. É preciso descaramento, falta de vergonha e pudor. Repito: é preciso não ter uma pinga de vergonha na cara.
Será que este senhor acha que 20.000 euros por mês, no caso dele, é realismo salarial ? Até quando teremos que aturar pessoas destas ?

sexta-feira, outubro 16, 2009

POR VEZES, ATÉ ARREPIA VER TELEVISÃO !

Ouvi esta noite, na SIC, um comentador afirmar, com ar pomposo e de grande conhecedor, que as aulas de substituição foram um dos grandes marcos da política de ensino de José Socrates. Isso e o Ensino Técnico.
Bom, uma pausa para digerir o meu espanto.
Suponho que este aspecto é uma das explicações da mediocridade do nosso País no contexto europeu e até mesmo mundial. Temos sempre um tipo disposto a afirmar pomposamente coisas deste tipo. E até acreditam nelas.

Vamos lá ver.

Primeiro – as aulas de substituição são meras aulas de diversão dos alunos, apenas úteis para não lhes permitir andar pelas Escolas a gritar e a fazer asneiras. Em 80% ou 90% dos casos essas aulas são dadas por professores de outra área curricular que nas aulas fazem jogos, falam disto e daquilo ou mandam os alunos fazer coisas irrelevantes. Do ponto de vista educacional, as aulas de substituição NÃO valem um chavo.
Desafio : porque não pedem uma avaliação externa e independente a essas aulas ?

Segundo – ensino técnico ? Apenas digo isto : que ensino técnico ?

Se, como no caso deste comentador, estes são os pontos fortes de José Sócrates no Ensino, então estamos conversados, a política do Governo no Ensino foi absolutamente ineficaz.
Cada um que julgue por aquilo que conhece. Nada de mitos ou de marketing. Chega.
É preciso decência e fidelidade á verdade. Estou farto deste faz de conta, precisamos todos que o Ensino funcione. E não é assim que lá vamos.

quinta-feira, outubro 15, 2009

CRISE ? NADA QUE NÃO SE RESOLVA COM UNS DESPEDIMENTOZITOS !

Este Mundo não tem mesmo ponta por onde se lhe pegue. É ... redondo, não tem pontas. Ou melhor, até tem, mas não dá geito nenhum pegar no Mundo pelo cimo dos Himalaias. Não tem pegas.
Esta história das pontas porquê ? Porque acho que não existe nem esperança nem salvação para este Mundo. Lembram-se dos detalhes do princípio da crise, não lembram ? Os bancos e outras instituições financeiras a comercializar produtos financeiros que não valiam mesmo nada, sempre a preços crescentes, cotados em Bolsa a valores estúpidos ? Lembram-se também dos prémios gigantescos que os gestores de topo destes organismos auferiam , em percentagem do volume de vendas, e de como foi dito que isso precipitava as transacções sem sentido e sem o mínimo de sustentação ?
Lembram-se da euforia das bolsas com produtos tontos,sem qualquer conteudo ? Lembram-se de como tudo isso fazia lembrar uma gigantesca Dª Branca ?
Por ultimo, lembram-se de todo o Mundo começar a afirmar que era preciso mais regulação, que se tinha que acabar com estas coisas ?
Pois bem, que aconteceu, de real, de então para cá ?
Eu digo-vos : NADA.
Só palavras, apenas intenções.
Os bancos voltaram ao mesmíssimo esquema, estão a embalar para uma nova “bolha”, os gestores de topo voltaram a arrebanhar quantias fabulosas ( entre nós, até Pinto da Costa recebeu da SAD do FCPorto a módica quantia de 700.000 euros, da ultima época de futebol ! ), os off-shores estão nos mesmos locais ( que normalmente é em locais onde há shores ... ), os barrigudos do costume já reataram as mesmas operações financeiras que ninguém entende mas que continuam a render dividendos com dois digitos ... enfim, voltou tudo à mesma.
Tudo à mesma, não. Todo este dinheiro tem que vir de algum lado, uma vez que nenhuma destas operações financeiras produz, de facto, qualquer valor .
Tudo na mesma, não : o numero de desempregados aumentou em milhões, em Portugal e no Mundo inteiro, o numero de pessoas com fome no Mundo cresceu bruscamente, todos os desequilibrios sociais se acentuaram.
Então, no fundo e em síntese as crises são apenas isso, não é ? Momentos onde o grande capital se reacomoda e ganha forças, sacrificando para isso mais uns milhões de pessoas.
Ou não é ? Há por aí alguém que tenha argumentos sérios para me provar que não é assim ?
Já não tenho ilusões nem esperança. Apenas pergunto : será inevitável tudo isto ?

sexta-feira, outubro 09, 2009

NOTICIÁRIO DE RUA

Oh pá, leste que o Obama ganhou o Nobel da Paz ? Porra, o gajo até merece, anda pr’aí pelo Mundo a ver se consegue que a maltosa entre numa de conciliação e bola baixa. Acho bem.
O que já não acho tão bem é aquela de prenderem o Polanski, na Suiça, por um crime que ele cometeu há mais de 30 anos em Los Angeles. Que crime ? Olha, acho que o gajo aproveitou uma sessão de fotografias com uma miuda de 13 anos ( a mãe dela é que tinha pedido ) e acabou por comê-la. A ela, não à mãe. Prática de sexo com menor. A miuda, entretanto mulher madurona, já recebeu uma indemnização dele, já lhe perdoou totalmente mas a Justiça americana é assim : nada como ferrar o dente no gajo, agora. Não terão mais nada que fazer, lá em LA ? Já não há crimes, por lá ? Que porra, pá !
Ah, é verdade, as autárquicas ... tens visto as discussões na TV ? Chamam-lhes debates mas a mim parecem-me mais combates. Do caneco, pá. Aqui em Lisboa, o Santana atira-se ao António Costa com uma força do caraças. Que ele só sabe é oferecer bicicletas e pintar coisas parvas no chão, a fingir que são ciclovias. Nada de túneis nem viadutos nem parques subterrâneos. Que anda sempre a fazer as vontadinhas todas ao Governo, ele é na 3ª travessia do Tejo, nos contentores de Alcântara ... Terá razão, o gajo ? Cá para mim, há uma certa verdade nisto.
No Porto, ouvi uma grande discussão, mas a verdade é que não percebi nada. Só percebi que aquela senhora professora não é grande espingarda como aspirante a lider política.
OK, pá, também estou no ir, tenho ainda umas coisas para fazer. Ah, ainda uma ultima : leste umas coisas do Lobo Antunes, assim a jeito de uma biografia ? Não ? Também não perdeste grande coisa, nunca vi um escritor tão cheio de bílis para com os outros escritores, pá. Até parece que só ele é que sabe escrever. O que o gajo queria era o Nobel, em vez do Saramago !
Bem, pá, agora é de vez. Vou-me pirar. Ciao.
Vês a Selecção amanhã ?
Não vamos lá, pá, aquele Queiroz é ... olha, esse é que devia ter ganho o Nobel da Paz, no futebol ... eh eh eh eh ... Ciao mesmo, pá.

quarta-feira, outubro 07, 2009

POBRE LISBOA ESTA !

É definitivo, já não tenho dúvidas. O “centrão” político em Portugal esgotou as ideias, se é que teve alguma vez algumas. Portugal anda á deriva há longos anos por causa dessa incapacidade. Nem o PS nem o PSD alguma vez clarificaram ou divulgaram a sua ideia global de desenvolvimento do nosso país. Muito menos foram capazes de colocar o país no trilho certo para um objectivo sonhado.
O que é ainda pior é que nem sequer para uma cidade conseguem ter um projecto. Algum dos meus ( poucos ) leitores me saberá dizer o que sonham António Costa ou Santana Lopes para Lisboa ? Será que eles alguma vez tiveram essa ousadia ou limitam-se mesmo a vagos ideiais de túneis e bicicletas ?
Sabem o que vos digo ? Eu não ando distraido, vou muitas vezes para a cidade á beira do Tejo ... a quantidade de “monstros” urbanísticos a nascer em espaços privilegiados mesmo junto do Tejo, nas cercanias de Belém, é escandalosa ! Hotéis, condomínios, mais hotéis, cais de contentores, ainda não desisti de os ver transformar a Torre de Belém num hotel de charme !
Para mim, o dilema “antes Costa que Santana” é um falso dilema. Não queria nem um nem outro, obrigado. Nem a inefável e eternamente desenraizada Helena Roseta, nem o ex-bloquista e ex-bota-abaixista Sá Fernandes, nem o “chuta-para-onde-está-virado” do Santana Lopes, de resto um tipo simpático, nenhum desses senhores e senhoras me oferece confiança.
E contudo, o drama é que lá vou ter de aturar um dos dois, não é ?

quinta-feira, outubro 01, 2009

OS NOVOS VENDEDORES DE BANHA DA COBRA

A vida política moderna é uma selva de factos. Uns reais, outros nem por isso. Os personagens são muitos e variados : chefes dos partidos políticos e sua corte, Governo e seus milhentos actores, agências governamentais actuando de cara descoberta ou nem por isso, jornais, televisões e rádios, jornalistas, polícias de investigação, ministério público, tribunais, militantes de partidos, e, finalmente, o cidadão comum.
Tentar perceber as movimentações de todos estes actores e agentes é tarefa gigantesca e quase impossível, sobretudo porque nenhum deles parece muito interessado em actuações claras e bem visíveis. Na maior parte dos casos, nunca se sabe nada do que aconteceu, quer o caso vá a julgamento publico ( uma imensa MINORIA das vezes ) quer fique bem afastado dos tribunais. Não se sabe nada e muito menos se pode provar seja o que for. E mesmo que se prove alguma coisa, há sempre os recursos, as delongas mais ou menos artificiais, esperando que tudo se apague na memória das pessoas. Tudo isto porque a política, actualmente, nada tem a ver com a verdade das coisas, é apenas um jogo de sombras chinesas, onde umas quantas notícias ou boatos fazem surgir novos pseudo factos escondendo assim os verdadeiros.
A política virou jogo de marketing comercial. Grande parte dos políticos modernos jogam com imagens, com projecções mentais, com a criação de mitos e expectativas, com ilusões. Os vendedores de banha da cobra ( lembram-se ? ) desapareceram e deram lugar a estes novos artistas das ilusões.
Uma campanha política faz-se hoje exactamente como o lançamento de um novo CD para uma banda de pop : musica, videos, fumo, som, bandeiras em agitação permanente, segundos planos que vão aquecendo o publico até à entrada do artista, o delírio programado quando este entra, os sound bytes que emite, a milhares de watts de potência, enquanto o écran gigante dá a sua imagem enorme, piramidal, do tamanho da sua DESEJADA grandeza.
Voltemos á interpretação da realidade, uma vez que julgo ter já demonstrado ser impossível chegarmos á verdade dos factos, na selva política moderna.
Há ainda uma ou outra forma de tentarmos não ser enganados. Isso exige total descomprometimento e muita atenção. Um dos truques é perguntarmo-nos sempre, perante qualquer novo “facto”, A QUEM INTERESSA ESSE NOVO FACTO NESSA PRECISA ALTURA. Se o leitor aplicar esse método, vai ver que pode errar, uma vez ou outra, mas que acerta na maior parte das ocasiões.
Se o leitor aplicar essa metodologia de análise vai poder sobreviver melhor nesta selva e até talvez explicar aos amigos certas “maroscas”.
Tenha sempre em atenção, leitor : há factos que são reais e há factos inventados. Tanto para uns como para outros existem actuações de aproveitamento ou exploração de efeitos. Seja sempre frio, atento e muito crítico. Não se deixe embalar por emoções. Não deixe que o vendedor de banha da cobra lhe saque uns cobres valentes e, em troca, lhe entregue uns cobertores que se desfazem na primeira lavagem. Não seja crédulo nem ingénuo. Não desanime nem deixe de pensar quando ouve enérgicos desmentidos e protestos de inocência. VEJA SEMPRE QUEM FICOU A GANHAR, POR DETRÁS ESTARÁ SEMPRE O AUTOR DA BRINCADEIRA.

terça-feira, setembro 29, 2009

SER FILIADO NUM PARTIDO SIGNIFICA DEIXAR DE PENSAR ?

Tenho que dizer isto : é extraordinário como a pertença a um qualquer partido político estupidifica as pessoas. Nunca percebem nada do que os outros dizem, filtram sempre tudo o que ouvem e vêem com filtros cor de rosa ou vermelhos ou azuis ...
Por essas e outras é que eu nunca seria filiado em nenhum partido político : não quero ser obrigado a ser cego, surdo e mudo à verdade e à realidade.
Vejam, hoje, como os vários comentadores partidários ouviram a comunicação de Cavaco Silva. Perdem-se em rodeios, em pormenores irrelevantes, na oportunidade da comunicação, na sua eventual incoêrencia interna, eu sei lá ...
E, no fundo, Cavaco Silva foi tão simples e acutilante : não confia em Sócrates nem na actuação do PS e dá público testemunho da sua interpretação pessoal, acusando-os de fabricar factos e insinuações para desviar a atenção do País dos verdadeiros problemas.
A cada um agora a sua interpretação das coisas, com base nos factos conhecidos e nos antecedentes de comportamento político e ético das pessoas envolvidas.
E que se lixem as cores partidárias.

sexta-feira, setembro 25, 2009

A DEMOCRACIA ESTÁ REFÉM

No Portugal de hoje há uma degradação tremenda de valores morais e éticos. Ou melhor, de substituição dos antigos valores por novos, mais adaptados aos interesses dos intervenientes. Para mim, esses novos valores tresandam, são uma vergonha completa. Mas parece que não é a opinião da maior parte das pessoas.
Cresci e formei-me como homem no culto de coisas como a verdade, a verticalidade, a isenção, a independência, a superioridade dos valores morais sobre o culto das riquezas. Hoje, não se hesita em mentir, em dar cambalhotas morais, em passar a vida a fazer vénias e fretes, só para usufruir de umas quantas benesses. Os grandes objectivos há muito que deixaram de ser o bem público, passando definitivamente para o bem individual ou de grupo de interesses. E parece-me, infelizmente, que não há nada que se possa fazer para mudar isto. Estes ultimos anos então foram mesmo catastróficos. Todos vimos como, crescendo neste caldo de uma cultura viscosa e cinzenta, chegaram ao poder pessoas de formação humana e ideológica muito escassa, extremamente ambiciosas, arrogantes e autocráticas. Arrepia-me pensar que voltaremos a gramar mais do mesmo. Meu Deus ...

segunda-feira, setembro 21, 2009

VOTO COM DUPLA NEGATIVA

Garanto-vos : não tenho a mínima ideia do partido em que irei votar.
Apenas sei aquele em que não irei votar, faça chuva ou faça sol. Podem vir agora tentar amedrontar-me com a direita, podem vir agora exibir arrependimentos tão tardios quanto hipócritas, podem mesmo fazer o pino em plena Baixa : não voto neste PS doentio, direitinha e cheio de raivas contra nós, portugueses ! Ou pensam que me esqueci ?
Mais, meus amigos : também não vou votar no outro, dito da esquerda pensante e com charme, dados os zuns-zuns persistentes de que poderão vir a ser a muleta de Sócrates. Já vi coisas dessas acontecer com esses senhores, por exemplo na Câmara de Lisboa e também não me apanham nessa.
E aqui está : estou atrapalhado com o meu voto.

sábado, setembro 19, 2009

É LEGÍTIMA A FIFELIDADE PARTIDÁRIA ATÉ NOS TRAIRMOS A NÓS PRÓPRIOS ?

Sempre admirei Manuel Alegre. Pela sua coragem e coerência pessoais. Como poeta, também. Até nos seus hobbies, como pescador. Chorei, não me envergonho de o dizer, quando li o seu livro sobre o seu cão. Mas com isto não posso concordar : é uma vergonha ver Manuel Alegre defender Sócrates. É doloroso. É surrealista.
Manuel Alegre afirma que entre M. F. Leite ( a direita, para ele ) e Sócrates prefere a esquerda possível. Esquerda possível ?? É alguma figura poética ?
Porra, Sócrates é que é a direita POSSÍVEL neste país, Manuel Alegre ainda não percebeu ?

sábado, setembro 12, 2009

SOMOS IGUAIS À SELECÇÃO NACIONAL DE FUTEBOL : GOLOS NÃO É CONNOSCO !

Entre os portugueses e a selecção nacional de futebol há uma enorme e surpreendente identificação. Não essa infeliz e pacóvia história da bandeira nas janelas e nos carros, pobres patetas faiscantes de orgulho pátrio, mas uma identificação de causas, procedimentos e consequências. Na selecção, abundam os craques, com provas dadas nos milionários clubes onde jogam, louvados e adorados pelo mundo fora. Cada um deles, isolado, é um mago do futebol. Todos juntos, são uma selecção medíocre, fracota, sem objectividade e produtividade. O actual treinador, lembra um daqueles políticos que tudo promete, passa a vida a dizer-nos para termos esperança mas ... é o que se vê. Qual é a semelhança profunda ? Nós, como povo, somos exactamente iguais. Cada um de nós é um profissional competente ( enfim, uma maioria ... ) mas em equipa somos um desastre. O nosso treinador-primeiro-ministro é tal e qual o outro da selecção : é o azar, é a finalização deficiente, são os árbitros ... Enfim, já viram ? Não se admirem pois com os fracos resultados da selecção, afinal eles são portugueses ( ou brasileiros, o que vem a dar no mesmo ). Nem com os ainda mais fracos resultados económicos e sociais do país.
É mesmo assim : trabalhar em equipa não é connosco.

domingo, julho 26, 2009

A BOLSA DE MERCADORIAS ... PERDÃO, DE PROFESSORES !

O Ministério da Educação ( ME ), entre muitas outros dislates, tropelias e quase anedotas que deu à luz este ano, modificou certas regras do concurso de professores, numa fase próxima da que estamos, a que apelidou “bolsa de professores”, com o peculiar estilo elegante e que tanto amor revela pelos professores. Assim mesmo : bolsa de professores, tudo misturado, tudo ao barulho. O ano passado, o ME ainda se dava ao cuidado de dar uns dias às Escolas para pedirem os profs de que necessitavam e só então processava esses pedidos em função das preferências por Escolas declaradas pelos respectivos profs.
Este ano não : assim que uma Escola apresenta um pedido, esse pedido é imediatamente processado e é escolhido o primeiro prof da lista que indicou essa Escola nas suas preferências.
O leitor menos familiarizado com estas coisas dirá : pois então, não está certo ? Que mal tem ?
O ME afirma, em recente esclarecimento, “o procedimento de colocação assegura assim uma colocação mais rápida com respeito pelas preferências e graduação dos candidatos”.

Nada mais falso. Completa mentira. Suponham um dado prof que é o primeiro na lista ordenada. Esse prof indicou 50 Escolas para onde desejaria ser colocado, por ordem, da sua maior preferência até à menos desejada. Na 50ª posição, a sua ULTIMA preferência, indicou a Escola X.
Pois bem, por uma questão aleatória, totalmente fora do controlo dos profs e até do próprio ME, a Escola X é de facto a primeira a apresentar a necessidade de um horário do grupo do nosso prof. Conclusão : o nosso prof é imediatamente colocado ( porque é o 1º da lista ) na Escola X, que é a sua ULTIMA escolha...
No minuto seguinte, a Escola Y declara também a necessidade de um prof do mesmo grupo lectivo ... e essa Escola figura em primeiro lugar na lista de preferências do nosso prof ! Mas é tarde, o nosso prof, por um minuto, vai parar à sua ultima escolha e não à primeira !!!

É a isto que o ME chama respeito pelas preferências dos candidatos ?

Sabem qual é o meu dilema ? Ainda estou para saber se quem faz estas normas é mesmo capcioso e conseguiu finalmente reduzir os profs à categoria de mercadoria ou se, pelo contrário, é totalmente idiota e incompetente.
Que acham ?

sexta-feira, julho 24, 2009

TARDOU, MAS ARRECADOU !

Ora aí está, assim, sim ! Isto é que é um Provedor de Justiça, pá !
O homem, mal entrou no gabinete, mandou logo uma dúzia de pessoas prá rua ! Gajos afectos ao regime que sabotavam a Provedoria ? Gajos corruptos ? Gajos que estavam prá ali sem fazer nada, de mãos nas algibeiras ?
Nada disso. Parece apenas que o pessoal tinha sido indevidamente contratado, e então o senhor provedor manda-os para o desemprego e que se amanhem.
Ora tomem. É o que faz colocar certas pessoas em certos cargos. Temos a mania de ir buscar gajos com formação jurídica ou económica para certas funções, é no que dá !
O senhor Provedor de Justiça começa a sua carreira com um acto gratuito ... de injustiça.
Deixem-me fazer a mesma pergunta que ando a fazer há anos : mas estes tipos estão todos doidos ou sou eu que estou doido ?

terça-feira, julho 14, 2009

ASAE : a emulação do estilo de Sócrates

A ASAE veio outra vez a público, desta vez porque o Tribunal da Relação de Lisboa a considerou inconstitucional.
Pouco me interessa essa tomada de posição da Relação de Lisboa, porque é inoperante e pouco útil. Agora quanto à ASAE, a coisa é mais complicada ...
A ASAE é a outra face de Sócrates. A face gémea, cuja filosofia foi directa e despudoradamente copiada da do primeiro-ministro. Tal como Sócrates, a ASAE começou o seu reinado contra os portugueses. Não mandatados por eles, na procura do bem comum, mas antes emboidos de uma inexplicável raiva e de um inusitado ódio contra muitos portugueses. Quem é que acredita que a ASAE persegue objectivos de sanidade e melhoria das condições sanitárias de restaurantes e coisas do género ? Quem é tão crédulo e ignorante que olha para a postura física do director da ASAE e não percebe imediantamente outros objectivos, outras motivações, outros designios ?
Pessoalmente, rejeito a forma arrogante, despótica e autista que tanto Sócrates como a ASAE utilizaram na relação com muitos portugueses que lhes pagam o salário e que deles esperavam outras medidas. Desprezo esses resquícios tardios da omnisciência e omnipotência salazarista. Odeio essas posturas de deprezo pelos outros, sobretudo pelos mais fracos, trazidas para o palco do poder político por Sócrates e obscenamente copiadas pelo homem da ASAE.
Ainda por cima, arvorando-se ambos em “grandes” homens, coisa que, obviamente, nem um nem outro serão “jamais”, na minha opinião. E aqui é mesmo “jamais”, peço desculpa ao sr ministro das obras públicas ou equipamento social ou lá o que é.

quinta-feira, junho 18, 2009

QUÃO BAIXO O HOMEM É CAPAZ DE SER ?

Por vezes, chega ao meu conhecimento a história de cães e gatos que foram abandonados pelos donos aqui ou ali. Não sei bem porquê, mas ao olhar para as fotos dos bichos sinto uma imensa tristeza e, ao mesmo tempo, um ódio tremendo quanto a esses tais donos. Não usemos eufemismos : é ódio mesmo o que sinto. Seria capaz de lhes bater, se presenciasse a cena. Bater a sério.
Naqueles olhos dos cãezitos e gatos lê-se uma agonia tremenda, uma grande incompreensão, uma dor mansa e submissa que me deita completamente por terra. Tivesse eu uma quinta em vez de um apartamento em Lisboa ( onde já habitam 2 gatos ) e acho que recolhia essa bicharada toda.
Mas não queria falar de mim, queria interrogar-me e interrogar-vos sobre quem são essas pessoas capazes de ter um cãozito em casa durante anos e depois, sem mais nem menos, ir à serra de Sintra largar o bicho. Que raio de gente é esta ? Serão nossos iguais ? São homens e mulheres como nós ? São gente ?
Desculpem-me leitores : o raio que parta estas pessoas ! O diabo que as leve !
Mesmo na minha idade, se vir alguém a fazer isso podem acreditar que trago o cão ou gato mas o tipo, esse, fica lá, com um tronco pela cabeça abaixo !

quarta-feira, junho 10, 2009

COISAS DE HOMENS OU PERIPÉCIAS DA POLÍTICA ?

Há uns anos atrás, Cavaco Silva, então Primeiro-Ministro, recusou conceder uma pensão por mérito á viuva de Salgueiro Maia, numa ocasião em que foram concedidas pensões do mesmo tipo a dois antigos agentes da PIDE-DGS.
A recusa levantou celeuma na altura.
Cavaco Silva teria então as suas razões, quero eu acreditar, embora delas discorde total e veementemente. Se houve alguém neste País que nunca quis nada para si, nem honrarias nem benesses, foi Salgueiro Maia.
Mas se Cavaco Silva tinha então as suas razões, que se passou entretanto que fez com que hoje se perfilasse, com um ar solene e compungido, perante o monumento a Salgueiro Maia, na cidade de Santarém ?
Apetece lembrar Shakespeare e dizer que o Mundo é um imenso palco e todos os homens e mulheres simples actores.
Ainda assim, a alguns desses actores é exigível uma maior constância na sua representação, creio eu.
DIZ-ME QUEM SÃO OS TEUS HERÓIS, DIR-TE-EI QUEM ÉS !

A realidade em Portugal tem laivos de surrealismo.
Dois dias depois do eleitorado ter dito ao sr. Primeiro-Ministro que não aprecia mesmo nada a sua pose arrogante e autoritária, que não gostou da sua deriva para a direita, dois dias depois de muitos, mesmo muitos eleitores terem deslocado o seu voto para a esquerda ( para o BE e PC ), dois dias depois desta ensaboadela ... eis que é tornado público que o sr. Presidente da República irá condecorar, no 10 de Junho, uma organização sindical, a UGT !
Depois de tudo o que tem sucedido, considerando a actuação conhecida da UGT e o reduzido numero de trabalhadores que representa, só se pode pensar que a condecoração tem por objectivo dar-lhe, na “secretaria”, o estatuto político-social que aquela central sindical não quis ou não soube conquistar no terreno.
É como atribuir a Torre e Espada a quem nunca entrou em combate.
Há só um pequeno senão : as condecorações estão hoje ainda mais desvalorizadas que o dólar. Coisas como esta não vão mudar nada. A UGT vai continuar com a mesma imagem, na cabeça dos trabalhadores portugueses, e a condecoração atribuida perde um pouco mais de significado.

quinta-feira, junho 04, 2009

UM VÔO TRÁGICO

Aquilo que sei sobre aviões não é muito, mas é alguma coisa. Sobretudo, não acredito em bruxedos. Podem ter a certeza que agora, ao escrever estas linhas, as pessoas e organizações responsáveis pela investigação aeronáutica do acidente sabem mais do que aquilo que deixam passar para a comunicação social.
Uma análise sumária e simplista constata que a tripulação do avião não teve tempo para qualquer comunicação rádio. Os dispositivos automáticos de localização do avião ficaram imediatamente fora de acção. Os destroços entretanto encontrados estavam bastante afastados uns dos outros.
Sabem qual é a hipótese mais consentânea com todos estes dados ?
Explosão a bordo. Súbita e violenta.
Se arredarmos a hipótese de terrorismo ( a acção já teria sido reinvidicada ), resta-nos uma explosão provocada pelo combustível. Toneladas de combustível. Muitas.
Já não é a primeira vez que tal sucede. Lembram-se do célebre TWA 900, salvo erro ? Explosão a bordo, nos vapores de combustível, provocada por uma qualquer faísca não identificada. Os circuitos de ligação à terra dos depósitos foram todos melhorados, depois disso, creio eu ... mas, na minha opinião, é algo que é hoje ainda um forte perigo nos aviões, sobretudo em zonas de forte intensidade eléctrica.
O combustível que os aviões levam é uma perfeita bomba a bordo, em caso de algo correr mal. Aguardemos pelo resultado do inquérito.
Que descansem em paz todos os que seguiam a bordo e tiveram uma morte tão inesperada e desnecessária. Oxalá tudo tenha sido muito rápido, como parece.
Não deixem de voar, por causa deste acidente. Afinal, viver tem sempre perigos : atravessar a rua para ir beber um café ou ir de carro, pela autoestrada, para qualquer sítio. A percentagem de acidentes fatais na aviação comercial é ainda, de longe, muito reduzida, acreditem.

PS – vou votar, como sempre, mas nem me apetece falar destas eleições. Ao que nós chegámos !

quarta-feira, junho 03, 2009

AFINAL, O PROBLEMA DA JUSTIÇA EM PORTUGAL SÓ EXISTE PORQUE A IMPRENSA O INVENTOU !

O juiz-conselheiro Noronha do Nascimento, presidente do Supremo Tribunal de Justiça, no decorrer de uma cerimónia pública, veio hoje esclarecer os portugueses : afinal, é a imprensa a responsável pela opinião desfavorável que existe na sociedade portuguesa sobre a Justiça.
Para mim, são opiniões destas que fundamentam o juízo que eu faço sobre a justiça portuguesa. São opiniões destas, autistas, completamente erradas, provenientes do presidente do STJ que me deixam estarrecido... então aqueles senhores ainda não viram que a justiça está completamente desacreditada no nosso país ?? Ainda têm dúvidas ? Como é que isto é possível ? Agora são os jornais é que ... ?

Haverá um só português que ignore que os casos de justiça, em Portugal, demoram LARGOS ANOS a serem julgados ? Haverá quem acredite na total isenção de todos os seus agentes, isto é, haverá alguém tão distraído que não perceba a enorme diferença, em termos de acesso á qualidade da justiça, entre um pobre diabo qualquer e um senhor director-geral, ministro ou mesmo apresentador de televisão ?
Haverá quem nunca tenha presenciado a enorme falta de humildade e mesmo prepotência com que o vulgar cidadão é tratado numa sala de tribunal, como se o juíz fosse um monarca absolutista , em contraste com a forma como são tratados presidentes de Câmara, por exemplo ?
Haverá alguém que ainda acredite que os agentes da justiça ( ministério publico e magistrados judiciais ) não têm qualquer culpa na forma de funcionamento do sistema, e que a culpa é apenas dos legisladores ?

O leitor já alguma vez leu todo aquele articulado pungente que procura fortalecer as sentenças ? Incrível : nem um santo consegue digerir aquilo, parece um filme do António de Oliveira, daqueles mais parados ... depois não se admirem, quanto tempo leva uma “peça” daquelas a congeminar e a escrever ?
É absolutamente fantástico, digo-lhes. Tentem um dia ler uma coisa dessas para saberem do que falo. Mas armem-se de paciência, hem , porque a coisa dá voltas e mais voltas lógicas, é retorcida como a curva de Mobius, antes de vir dar ao principio.
A sensação que retive, de alguns exemplos que li, é que o juiz não conhece bem a estrada nem tem GPS. Enfim.

Será assim tão dificil endireitar este subsistema da justiça ?
Com base na minha experiência pessoal, de alguém que ajudou a reformular alguns sistemas complexos envolvendo comportamentos humanos, é quase certo que, quando há um sistema de mudança muito dificil, é porque os seus agentes não estão a participar na mudança ou estão mesmo a fazer contra-vapor.

Qual será a verdade ?

domingo, maio 31, 2009

HISTÓRIA DE UM CINISMO POLÍTICO ou QUE SABEM ELES DE ENSINO ?

segunda-feira, maio 25, 2009

COISAS ALINHAVADAS SEM NEXO

Escrever é despirmo-nos. Despirmo-nos de tecidos e de ilusões. Ficar com a alma a sangrar. Vomitar tudo o que não conseguimos digerir.
Escrever é morrer e renascer no mesmo instante. É tentar ficar limpo e impoluto.
Escrever é o maior engano de todos. Ninguém se purifica escrevendo. Apenas a acção purifica. E mesmo assim, nem toda a acção. Há acções purificadoras mas que, ao mesmo tempo, são assassinas. Desiludam-se todos os falsos libertadores : através da morte de inocentes nunca há-de surgir a claridade. As trevas que se infiltram nos seus corações vão impedi-los de ver nascer o dia.
O dia está cansado, vem aí a noite, em seu socorro.
Paz e alegria aos homens e mulheres que vivem sem rastejar, ainda que famintos. Um dia, este mundo será deles também.

sexta-feira, maio 08, 2009

PROFESSORES DISTRAIDOS

Numa carta dirigida aos pais dos alunos de uma escola básica em Castelo de Vide, aquela onde se recordam foram obtidas imagens não autorizadas dos “putos” a trabalhar com o computadorzito Magalhães, José Sócrates afirma que «um dos objectivos do Partido Socialista é valorizar a escola e o trabalho que todas as crianças e professores vêm desenvolvendo com vista à construção de um Portugal e de um mundo melhores».
Notou-se claramente esse objectivo, ao longo deste último ano.
Os professores é que parece ainda não terem percebido bem essa “valorização” do seu trabalho.
São mesmo distraidos, esses professores.
Da ultima vez que os vi, foram mais de 120.000 professores distraidos a desfilar em Lisboa, contestando essa “valorização” do seu trabalho.
Ele há pessoas mesmo distraidas e mal agradecidas, caramba.

segunda-feira, maio 04, 2009

GOSTAVA QUE O SÃO NUNO VISSE AGORA ESTE PAÍS !

A minha vida está a tornar-se uma seca. A nível pessoal estou sem motivações, sem desafios. Preguiçoso. Desanimado. A nível social, a descrença é total. Os problemas avolumam-se todos os dias, o Governo anuncia medidas irrelevantes ou ao lado dos problemas. Só remates ao lado ou passes para trás. É angustiante, ouvi-los falar da crise e perceber que eles sabem tanto sair dela como eu saberia sair de uma favela do Rio.
Ando cansado. Nem sequer me apetece escrever, em tempos idos tinha prazer nisto, agora já não. Todo este desemprego, toda esta angústia de milhares de pessoas acaba por se infiltrar em nós, não é ?
Este senhor que veio da Beira Interior para o PS conseguiu aquilo que Salazar e Caetano nunca conseguiram : cheguei à conclusão que este meu país está moribundo, sem condições de recuperação, sem dignidade nem honra nem glória. Nunca seremos um país “decente”, razoavelmente bem gerido e habitado por pessoas educadas e sensatas. Nunca. As sondagens indicam que à volta de 38 a 40% dos portugueses ainda vão votar Sócrates... Desisto. Enquanto tanta gente achar que Sócrates é bom para o País, eu recuso-me a ser português. Hoje percebo muito bem Saramago. Foi para isto que o agora São Nuno venceu os castelhanos, em Aljubarrota ? Azar do caraças !
Vou suspender a minha nacionalidade. Tal como o Almada Negreiros dizia do Dantas, se Sócrates é português, então eu quero ser espanhol ! Pim !

segunda-feira, abril 06, 2009

O PAÍS IMPOSSÍVEL

Vá, digam lá com toda a franqueza : não se sentem um tanto perdidos no Portugal de 2009 ?
Eu sinto. Algumas das minhas referências clássicas estão a desaparecer. Só vejo acontecimentos estranhos, que nem sequer consigo saber se são verdadeiros ou não. O tempo arrasta-se e tudo parece mergulhado em algodão em rama. A verdade não existe em Portugal, em 2009. Sócrates está ou não implicado naquela história ? Os arguidos da Casa Pia andaram ou não com os putos ? Pinto da Costa deu ou não dinheiro ao árbitro ?
É como me parece este país, uma coisa de brincar, onde nada é real, tudo é um faz de conta. A terra do feiticeiro de Oz. Estou sempre à espera, ao dobrar a esquina, de encontrar o homem de lata e o leão. Ou os sete anões e a Branca de Neve.
Pensando melhor, a Branca de Neve, não, isso seria impossível. Por aqui, só Dªs Brancas mas não de neve. Mais a atirar para o cinzento ou mesmo negro.
Somos um país onde até a fantasia está corrompida.

quarta-feira, março 25, 2009

O ÓDIO COMO MOTIVAÇÃO DE GOVERNO ??

INQUALIFICÁVEL, esta equipa do ME ( ainda ) em funções. Quando uso este adjectivo sei bem porque o faço. Não sei dizer se são bons, maus, hábeis, inábeis, pessoas de mérito ou pessoas sem qualquer mérito. A sua actuação nem sequer cabe nas fronteiras do político, há muito que atravessaram para um território que também desconheço, que também não sei qualificar.
Ao longo de todo este ano lectivo, na actuação daquela equipa transpareceu, mais do que qualquer motivação política, mais do que uma preocupação em diminuir custos, um ódio puro aos professores. Ódio, nada de hesitações nas palavras. Por vezes, mais do que ódio, uma imensa raiva surda. Onde raio terão ido buscar as razões para essa raiva ? Quem lhes fez mal ?
Muito gostaria eu de conhecer os percursos da senhora ministra e dos senhores secretários durante o seu percurso pelo ensino secundário ...
Agora, esta ultima atitude do inefável secretário de Estado, a ameaçar os sindicatos que apresentaram uma acção em tribunal para suspender o concurso de professores : vai-lhes exigir indemnizações, olá se vai, pensam que o ME é o quê ??
Esta equipa está de cabeça perdida, já não distingue bem a realidade à sua frente. Então eles ( o ME ) podem inventar regras especiais, que ninguém conhece, para a ocupação de milhares de postos de trabalho de professores, com eventual abertura a toda a espécie de amiguismos e compadrios, na selecção dos professores para as escolas de intervenção prioritária ... Em resposta, os professores, directamente lesados nos seus interesses, UMA VEZ MAIS, por esta equipa, deveriam estar calados e quietinhos, a entoar hossanas ao Governo e ao ME !
Chega, senhores. Chega. Ganhem dimensão, ganhem vergonha. Aprendam a fazer política de outra maneira, de uma forma mais corajosa, ética e verdadeira. Este vosso jeito na Educação não é bonito e não presta, não nos leva a lado nenhum.
Convençam-se de uma vez : vivemos em democracia, não nos vamos calar, vamos lutar até vencer. E aqui para nós, que ninguém nos ouve, parece-me que o vosso reinado de terror está a chegar ao fim !

terça-feira, março 17, 2009

OS PATOS DA GULBENKIAN VOAM NA PRAÇA DE ESPANHA

Este mês tenho andado em maré de azar. Primeiro foi o carro : num momento ia a andar normalmente e no outro tinha uma luz acesa no painel e o motor a soluçar perdidamente. Condoído, lá o levei ao mecânico ( obrigado à amiga da minha filha que é sobrinha dum excelente mecânico de VW ali em Algés ) que me resolveu os soluços em troca de 320 euritos. Não, não foi xarope para a tosse que ele receitou ao carro, foram velas e bobines.
Mal refeito, aí está : a máquina de lavar roupa com uma pneumonia aguda, a fazer uns barulhos horrorosos na centrifugação. Ponho-lhe o estetoscópio : um rolamento farto de viver. Como a esta já se somavam outras mazelas, feitas as contas ao que me custaria o internamento da máquina, tumba, decidi comprar uma nova. Mais 500 euritos, tão a ver ? Ainda a não tenho cá em casa mas os euros já se foram.
Ah, pois, ainda não vos tinha dito que paguei este mês o seguro do carro, uma pechincha, toma lá mais 500, quem me manda ter seguro para danos próprios ? Como se tudo isto não bastasse, as Finanças fizeram-me uma proposta, pelo Correio : no próximo mês eu dou-lhes quase 300 euros e eles deixam-me viver mais uns tempos.
Lindo. Em quanto vai ?
Bom, sei perfeitamente que não me posso queixar muito nos tempos que correm. Posso pagar estas contas, embora um tanto avermelhado, este mês, mas há muita gente a passar mal, sem carro nem seguro nem máquina da roupa nem nada. E com problemas para criar os filhos. E a viver todos os dias com medo do futuro e raiva desta vida de merda que Portugal lhes proporciona. Gente a quem ninguém salva, já que não se chamam BCP ou BPN.
Sei tudo isso, óh se sei.
Há muitos, muitos anos, num mês como o próximo, vomitei todo o medo que tinha dentro de mim, aproveitei toda a bílis acumulada e juntei-me a um pequeno grupo de malucos românticos que queriam fazer de Portugal um sítio decente para se viver. Onde não tivéssemos vergonha de ser portugueses.
Pois foi, viu-se o que aconteceu 35 anos depois : manadas de corruptos, bandos de vigaristas, rebanhos de homens sem vergonha … uma desgraça horrorosa. Hoje, tenho mais bílis acumulada que nessa altura, tenho ainda muita vergonha de partilhar o meu país com toda essa cambada.
Que havemos de fazer, pessoal ?
Nem tudo é mau, porém. Ontem, ao passar pela Praça de Espanha, vi dois patos a voar, por cima da Praça, e depois a poisar numa relvado que há por ali. Uns azuis e verdes, coisas lindas ! Diz a minha filha que devem pertencer aos jardins da Gulbenkian. Que pertençam, antes à Gulbenkian que a S. Bento ou a Belém, não é ?

sábado, março 07, 2009


DE NOVO O PETRÓLEO !!

Os motivos da subida brutal do petróleo, há uns meses, estão bem patentes nesta notícia de hoje, sábado, no Público. O petróleo não é, com as actuais regras dos mercados, um bem de consumo, que se compra e vende para ser usado como petróleo, mas sim um produto de investimento, para comprar hoje a um preço e vender daqui a uns dias, por um preço muito superior. Ou seja : permite-se que o petróleo, matéria-prima essencial no Mundo de hoje, seja usado como meio de especulação, como forma de criação artificial de mais-valias financeiras.
Foi assim durante a gestação desta presente crise financeira e económica, está hoje de novo a ser assim. Quando ninguém já conseguia fazer dinheiro com aqueles produtos financeiros fraudulentos que nada valiam, todos os grandes investidores apostaram nos cereais, primeiro, e depois no petróleo. Até os Fundos de Pensões americanos. Toda a gente do meio sabia, ninguém ou quase ninguém o disse ou se ralou com isso.
Porquê ?
Porque ninguém via ( nem hoje vê ) alternativas para este imenso jogo de Dª Branca. Ninguém sabe como parar esta incessante e obrigatória escalada de fazer mais dinheiro, cada vez mais dinheiro, a partir do que existe. Ninguém sabe como substituir esta lógica suicida por outra qualquer que seja sustentável. Nem ninguém parece muito preocupado com isso, diga-se em abono da verdade. Ou quase ninguém. Quando aparece alguém chama-se-lhe extremista ou esquerdista e pronto, está resolvida a questão.
Esta terrível espiral é a mesma que leva ao inexorável esgotamento dos recursos naturais do planeta, à destruição das florestas, à poluição dos mares, à subida imparável da temperatura média, á destruição de todos os valores morais.
Pensam que estou a exagerar ?
Quando todos os políticos da Europa e dos Estados Unidos andam por aí a gritar que querem construir uma nova ordem financeira mundial, porque raio é que nem sequer conseguem riscar do mapa os off-shores ? Como é que nem sequer conseguem restringir as transacções de matérias primas como o petróleo às companhias de refinação e de comercialização ?
Porque é que ninguém tem a coragem de confessar que a economia mundial está completamente dominada pela actividade financeira especulativa ?
Porque é que falam em regulação e não em destruição e substituição ?
Porque é que ninguém consegue explicar a necessidade aparentemente imperiosa de crescer sempre, de ganhar sempre mais dinheiro, de produzir sempre mais automóveis, mais computadores, mais tudo ?
Sabem do que precisávamos ?
De mais modéstia. De menos cupidez. De mais simplicidade na vida. De menos fausto e manias das grandezas. De menos vencimentos milionários, como se esses tipos que os ganham valessem alguma coisa como Homens, como lideres ou como gestores. Como se viu. Ficções, contos de fadas, fábulas modernas.
Que mundo este, onde o grande objectivo do Homem é adorar o dinheiro !!

sexta-feira, março 06, 2009


SOLIDÃO. ESCOLHA OU INCAPACIDADE ?

A solidão fascina-me e entristece-me, no mesmo minuto. Toda a minha vida me senti sózinho, por vezes com pessoas à volta, outras mesmo sem ninguém.
Faço questão em afirmar que vivo perfeitamente sózinho, mas não é verdade, nunca foi. O que eu gostaria e nunca tive, era alguém que tivesse verdadeiramente prazer em estar comigo, em conversar ou em estar simplesmente calado. Nunca tive ninguém assim, ninguém. Talvez a minha mulher, nos primeiros tempos. Mas até essa grande amiga já partiu. Nunca mais tive nenhum amigo, nenhuma mulher que fosse capaz de me dedicar a sua intimidade, tal como eu gostaria. Com o tempo, eu próprio me tornei egoista e incapaz de conviver em liberdade e sentir felicidade com alguém.
Amigos, amigos mesmo, tenho tido mas do tipo longínquo, de nos vermos de mês a mês. Depois de ficar viúvo, tive muitas experiências, conheci algumas mulheres interessantes ( se calhar melhores do que eu … ) mas continuei a não sentir aquela cumplicidade e amizade que tudo ultrapassa.
Erro meu ? Azar ? Não sei, mas a verdade é que me sinto um solitário total, nestes tempos.
Tenho uma espécie de namorada-amiga com quem mantenho uma relação mais de fidelização do que outra coisa ( é como ser cliente da TV Cabo … ), mas dessa relação não aproveito nada, em termos de amizade, compreensão ou cumplicidade. Sou eu que dou tudo, não sei porquê. Acho que mantenho essa relação mais por um sentimento ( errado ? ) de companheirismo para com ela ( tem algumas dificuldades na vida e eu tento ajudá-la ) do que outra coisa.
Hoje, por exemplo, essa minha amiga-namorada decidiu ( faz isso muito ) que ia jantar com umas amigas, todas elas divorciadas ou mal-casadas, desejosas de arrastar as amigas para esse partido das mulheres sózinhas e unidas. Coisa tenebrosa de facciosismo e egoismo. Nem lhe passou pela cabeça que eu preciso dela, de alguém com quem conversar para me sentir vivo. Desconhece a empatia, desconhece-me totalmente.
Acho que eu é que estou errado, não se deve depender para nada de alguém sem empatia, não é ? Como diz o Rui Veloso numa canção, não se deve amar ninguém que não gosta da mesma canção que nós …
Seja como for, vi-me só numa noite de sexta. Resolvi jantar num pequeno e modesto restaurante em Benfica, perto da Igreja, “O Chafariz”. Não é a primeira vez.
Três pessoas na sala, comigo. Mais tarde, entram outras três pessoas, com um ar um pouco deslocado, talvez de Angola ou Moçambique. Raça negra. Marido e mulher mais filha, esta grávida. O marido tem um olho todo tapado com um penso. Sentam-se perto de mim.
Daí a um bocado, ou o tinto fez efeito ou foi o olho tapado, o homem derrubou o copo e entornou o vinho todo pelo fato. Um fatinho de bom aspecto diga-se.
Não resisti, e com aquela intimidade de pouca gente na sala mais o meu hábito de África, comentei : “foi o olho tapado, olha que pena “ e ri-me … O homem, como tantas vezes vi em África,com um sentido de humor excelente, largou-se a rir, virado para mim, dizendo “ que pena, o vinho ...” !
Esta cumplicidade, étnica, ainda por cima, fez-me sorrir na noite, quando saí do restaurante e caminhei para casa ( moro perto ).
Ia eu embrenhado nestes profundíssimos pensamentos ( a solidão e a cumplicidade inter-raças ) quando dei de caras com uma ex-namorada, de mão dada com o seu actual companheiro. Homem da minha idade, aspecto algo ingénuo. Muito mais nabo que eu, pensei instintiva e imediatamente, porque somos nós assim ?
A minha ex- parou, fez um sorriso do tipo “olha um velho amigo meu “ e apresentou-me ao amigo. Afirmei que tinha muito prazer ( mentira ! ), perguntei pela mãe dessa minha amiga ( uma velhota simpática e rabujenta de mais de 90 anos, agora ) e despedi-me.
Prossegui sózinho, pensando na coincidência daquele encontro, como se Alguém me estivesse a dizer : “Estás sózinho porque queres, porque és egoista e tens sido incapaz de amar ...”.
Curiosamente, pouco me ralei, continuou o egoismo, apenas me lembrei de como aquela minha ex-namorada era quente e audaciosa na intimidade. Sim, apenas senti saudades do sexo, não da pessoa. Que quer isto dizer, não presto mesmo como ser humano ? Que apenas fico bem na minha solidão ? Que tenho o que mereço ?
O grande problema é que eu não fico bem, assim solitário, assim como não me sinto bem, apertado e espartilhado numa relação íntima comprometida. E se isto é assim, aos 65, como raio virá a melhorar ?
Passem bem. Por mim, vim para casa e escrevi este texto.



quarta-feira, março 04, 2009

EÇA DE QUEIROZ, BAPTISTA-BASTOS E A CRISE ...

Ando a ler um livro do Baptista-Bastos e, nos intervalos, o “O Conde de Abranhos” do Eça de Queiroz. Não sei o que se passa comigo, ando sem paciência nenhuma. Ao BB ainda consigo entender e ter prazer com a sua leitura, em muitas passagens do ( acho eu, não me lembro bem, tenho o livro no carro … ) “Lisboa a Tinta da China”. É um homem sensível, ama Lisboa e os outros, consegue acertar-me com palavras comoventes. Mesmo assim, não suporto as longas passagens, as constantes reviravoltas nos personagens, ora o pai ora o filho, numa confusão do caraças, em tempos entremeados tipo James Joyce … Já não é o primeiro grande escritor português que se perde nas teias do "novo romance". Como o Lobo Antunes, excelentes no conto, na crónica, mas intragáveis no romance. Sobretudo o Lobo Antunes.
Mas o pior foi o Eças. O conde de Abranhos para mim, pertencia aos meus 19 ou 20 anos, era uma das obras que me faziam sustentar que o Eça era o suprasumo dos sarcásticos e dos lúcidos, num país cinzentão e ignorante como era o Portugal do séc XIX. Pois bem, foi uma desilusão, esta releitura. Não sei bem explicar-vos, mas o Eça está longe, afastado, já não pertence ao Portugal de hoje. Os seus personagens são ingénuos e inofensivos, no Portugal dos BPN, BPP e quejandos. O conde de Abranhos é uma virgem inocente, em oportunismo político, quando comparado com dezenas dos actuais políticos deste país. Apenas a ignorância do distintissimo Conde, então Ministro da Marinha e do Ultramar, ao situar Moçambique na costa ocidental de África me fez sorrir e recordar um outro Ministro, dos nossos tempos, quando proclamava a margem sul como um deserto … Talvez se deva dizer, em abono do Eça, que é dificil a um escritor permanecer intemporal numa época de tão grande degradação de todos os valores éticos e morais. Nem o Eça aguenta, por outras palavras !
Enfim, como comecei por dizer, devo ser eu que não ando com paciência.
Também, quem pode ficar indiferente ao descalabro acelerado deste país e aos efeitos sociais desta crise ?

domingo, março 01, 2009


OS NOSSOS OFF-SHORE E OS DOS OUTROS

Hoje não vos vou aborrecer com política.
Hoje vou virar-me para o humor, tão necessário neste país cinzento.
O sr Ministro de Estado e das Finanças ( ver imagem ao lado ) repudia energicamente os off-shore que, como ele muito bem sabe, foram inventados e proliferaram por todo o Mundo para permitir a fuga aos impostos e a outras esquisitices regulamentares dos governos.
Repudia os off-shore ... menos o da Madeira, claro.
O "nosso" off-shore é muito melhor que os off-shore dos outros.
O "nosso" off-shore é supervisionado por ele, garante.

( este espaço foi por mim intencionalmente deixado em branco para permitir ao leitor raciocinar e tentar compreender a elevada densidade científica desta afirmação )

E pronto, deixo-vos com este apontamento queiroziano.

quarta-feira, fevereiro 04, 2009

AINDA SE APROVEITA ALGUMA COISA ?

Não me apetece escrever nada. Nem fazer nada. Só sinto uma profunda letargia. Sou um urso em hibernação. Palpita-me que estou acompanhado dos outros 9 milhões e meio de portugueses. Deixo de fora 500.000 que não são ursos. São aves de rapina. As aves de rapina não hibernam, não dormem e não descansam, sempre a pairar em círculos sobre tudo o que mexe, prontas a mergulhar e a afundar as suas garras em tudo o que valha a pena.
Já não sinto nada, o disjuntor central do meu cérebro disparou, a sobrecarga era exagerada. Nunca vivi nada de semelhante ao longo dos meus muitos anos de vida. Onde estavam escondidos, como apareceram, todos estes vampiros ? Quem lhes ensinou a arte, com quem aprenderam a usar os offshores, como perderam toda a vergonha ?
Que forças poderosas os movem, como conseguem usar as máscaras de gente séria e decente, que vento, chuva ou temperatura lhes permitiu desabrochar ?
Amigos, vá lá. Isto a que assistimos no nosso país não é obra de meia dúzia de corruptos. São muito mais que isso. É uma praga. A praga dos gafanhotos corruptos.
Sabe-se como começam, nunca se sabe como vão acabar. Começam nos partidos políticos, calmamente. Fazem-se notar, chegam-se aos chefes, abanam vigorosamente a cabeça, em sins ou nãos de enérgica concordância. Esperam a sua vez. Dão bicadas uns nos outros, como galinhas à espera do milho. Um dia são premiados, o chefe entrega-lhes um institutozito para dirigir (?) ou um lugarzito no Parlamento ou mesmo um lugar de director-geral. Um lugar onde normalmente dão largas à sua desesperada incompetência, a troco de uns milhares todos os meses, mais cartão de crédito e BMW. O pior nem é o dinheiro que estas sombras cinzentas consomem. O pior é que os organismos ou instituições por onde passam estiolam, apodrecem, ficam cada vez mais irremediavelmente atolados na lama.
Um dia, ahhhh finalmente, um dia deixam o governo ou o poder, com uma grande experiência … em tráfico de influências. Nesse dia, esfregam as mãos, chegou o momento tão ansiosamente esperado: um conselho de administração ( um ? Vários, como tantos casos que conheço ), numa grande empresa ou num banco.
A partir daí, mais nada por norma se conhece da vida deste promissor gestor. Apenas se sabe que, poucos anos volvidos, compra casas de meio milhão a vários milhões de euros, apresenta garagens com bentleys ou aston-martins ( os mercedes e bmw são muito foleiros para esta gente ), frequenta restaurantes que o leitor nem de nome conhece e torna-se, finalmente, uma pessoa de BEM.
Pensa que exagero, leitor ?
Oxalá assim fosse. É mesmo assim como lhe conto.
Ocasionalmente, um deles estampa-se ou é apanhado numa das reviravoltas dos jogos de poder e cai-lhe em cima uma sindicância, um inquérito, uma investigaçãozinha.
E depois, que mal tem isso ? São uns anitos um pouco chatos é verdade, mas a verdade vem longe e duvida-se que alguma vez se descubra. Com sorte, até os honorários dos advogados são pagos pelo Estado. E depois, há sempre uns sobrinhos ou primos na Suiça ou em Lisboa, dispostos ajudar a família, não é ?
Ahhh, agora vem outra verdadeira catástrofe : a justiça portuguesa. Toda a gente afirma a pés juntos que acredita na Justiça ( com J maiusculo ) e mais blablabla, enquanto esperamos anos e anos por ela, essa tal justiça.
Por mim, sou sincero, estou farto disto tudo. Dos corruptos, dos vigaristas, da política pequenina e também da justiça portuguesa. Acredito na justiça, mas apenas enquanto conceito teórico.
Na prática das nossas vidas, acho que a justiça portuguesa é ineficaz, demorada, por vezes estranhamente enviesada e parcial. Não acredito numa justiça que precisa que um vigarista abandone a presidência de um clube de futebol para o acusar. Não acredito numa justiça que anda ou não anda com os processos conforme os ventos que sopram do poder. Não acredito em deputados dependentes dos chefes dos partidos, em investigadores dependentes ou temerosos dos governos, em entidades de regulação não autónomas e de espinha curvada. Também não acredito em polícias, de investigação ou não, demasiado reverentes e atentas.
Portugal, tal como está, é um país sem espinha e sem projecto.
A culpa, como sempre, não é deles … é nossa.

terça-feira, janeiro 27, 2009

JÁ NÃO É NAVEGAÇÃO À VISTA ... É MESMO ANDAR À DERIVA !

Esta gente, meus senhores, não faz a mínima ideia do que anda a fazer. Acreditem ou não, esta é a verdade, nua, dura, simples e ... aterradora.
Não me estou a colocar naquela posição típica do português que apenas sabe mandar umas bocas e nada mais. Palavra que procuro, afanosamente, encontrar um sentido para toda esta rapaziada ambiciosa e atrevida que encheu os corredores do poder. Mas não consigo. Nada do que se passa actualmente neste nosso país faz sentido. Apenas vejo uma enorme quantidade de iniciativas tontas e apressadas, muitas delas nem sequer estudadas, algumas outras mesmo contraditórias, como se todo o Portugal não passasse de uma grande manta tipo patchwork. Soundbytes, apenas. Propaganda. Feira da Ladra pura. Cada serviço, cada direcção geral, toda a gente tem muitos objectivos modernos e entusiasmantes. Todos os ministros falam que se fartam sobre grandes iniciativas, desde o TGV ao simplex, desde as novas oportunidades ao 12º ano para todos, desde o aborto ao casamento entre rapaziada do mesmo sexo. Tudo numa tremenda caldeirada ideológica, ao sabor dos ventos dos shares e das sondagens, sem o menor plano de conjunto nem sequer uma ideiazita agregadora.
Fazem-se coisas como o simplex, a casa na hora ( ou lá o que é ), por um lado. Por outro, inventam-se novos impressos e documentos que quem quer vender ou alugar uma casa tem que mandar fazer, por centenas de euros e horas e horas de espera, a dizer que a casa é assim e assado quanto ao consumo de energia, ainda que a casa tenha 100 e tal anos ... Mas isto não é de malucos ?
A sério : já não é uma questão de concordar ou não com as políticas deste governo. Pura e simplesmente, não os entendo. Não faço a mínima ideia do que eles querem deste país. E o mais dramático, é que estou convencido que eles também não.

quinta-feira, janeiro 22, 2009

DISCIPLINA DE VOTO ... O CARAÇAS !

No domínio da dignidade de um ser pensante, haverá alguma coisa mais horrível que aquilo a que os partidos políticos chamam a disciplina de voto ?
Obrigar alguém a votar contra a sua consciência não será a fronteira limite da democracia, não será já o início do totalitarismo ?
Que justificações éticas e políticas podem ser apresentadas para defender uma atitude destas ? A justificação real, e unica, não será o medo das opiniões das pessoas, neste caso dos deputados ?
Pura e simplesmente não se pretende OBRIGAR pessoas a pensar como o partido quer, e não como elas, pessoas, querem ?
Qual é a diferença, do ponto de vista teórico, para um partido totalitarista ?
Afinal, são as pessoas que determinam a opinião de um partido ou é exactamente ao contrário, é o partido que diz às pessoas como devem pensar ?
DISCIPLINA PARTIDÁRIA, uma ova, desculpem.
TOTALITARISMO PARTIDÁRIO, isso sim, não me venham com falinhas suaves e hipócritas.
É por esta e muitas outras, do mesmo nível, que eu nunca pertenci nem hei-de pertencer a partido nenhum. Prezo muito a minha liberdade de pensamento.
Agora, perante isto, imagino o que irá na cabeça do Manuel Alegre. Conhecendo-o e admirando-o, aposto que só lhe resta uma atitude : desrespeitar a disciplina partidária, ser ele próprio. Nem sei que atitude ele iria tomar, com liberdade de opção no voto. Agora, só lhe resta uma coisa, com esta história da disciplina de voto : continuar a proclamar : “A mim, ninguém me cala !”.

Este nosso Portugal não está em crise . Está é uma verdadeira latrina, cheia de merda.