sexta-feira, março 14, 2008

QUE VIDA ESTA, MEU DEUS !

Esta noite estou cansado. Cansado, gasto, desiludido.
Passei o dia a resolver um problema informático, no computador de um amigo. Aquilo ia dando comigo em doido. Depois, de repente, apercebi-me que era sexta-feira e que não tinha combinado nada com ninguém. Por motivos vários, dei por mim como tantas e tantas vezes já me vi : sózinho, cansado, sem saber que fazer.
Á falta de melhor, fui recordando outras situações em que me senti assim, ao longo da vida : logo no início, quando estudava ainda no Técnico e vivia num quarto alugado para as bandas da Fonte Luminosa ; depois, em África, Moçambique, para onde a guerra colonial me atirou, por vezes em locais onde nem Deus saberia encontrar-me ; mais tarde, nos EUA, para onde fui estudar umas porcarias que de pouco me serviram ... outras vezes, como hoje, na minha casa, no meu quarto, sem vontade para sair e ir beber um copo ou ver um filme tardio.
Muitas vezes penso em mim como um homem solitário. Apesar de ter amigos e amigas, a minha filha e tudo isso. Sou, na essência, um tipo solitário e mal humorado, agora cada vez mais consciente da idade e do caminhar inexorável para outras paragens.
Sim, a morte, essa ideia que todos tentamos desesperadamente evitar ... como se isso fosse possível. Mas hoje também não quero pensar nisso : estou cansado e dá muito trabalho pensar no futuro. Acho que não consigo pensar, pura e simplesmente. As palavras que aqui vêem atrás umas das outras, são os meus dedos que as escrevem, não vieram do meu interior, acreditem.
Sei que, como eu, há milhões de outras pessoas, no Mundo, igualmente sós e igualmente cansadas e chateadas. Dá uma sensação de coisa normal, de algo que não é notícia. É verdade, somos muitos, os chateados deste Mundo, valha-nos isso.
Vai um brinde a todos nós ?

terça-feira, março 11, 2008

OS MECANISMOS DA DEMOCRACIA REPRESENTATIVA

Factos : Sócrates venceu as ultimas eleições com maioria absoluta ; do respectivo programa eleitoral constavam algumas medidas para o ensino semelhantes ás que têm vindo a ser tomadas, sem entrar em pormenores ; os professores manifestaram-se contra a forma como essas medidas têm vindo a ser levadas à prática e contra alguns dos pormenores entretanto surgidos ; Sócrates afirma que não muda nem uma vírgula e que é ele que tem legitimidade política porque venceu as eleições ; se as coisas assim continuarem, a instabilidade tomará conta das Escolas e, no final, não se vê como é que o Ensino vai melhorar.

Comentários : a representatividade, em democracia, não pode NUNCA ser definitiva, irrevogável ou independente das condições concretas sob as quais se desenvolve.
Sendo uma forma de resolução de conflitos, em sociedade, a representatividade baseia a sua eficácia na permanente aceitação por todas as partes envolvidas, ou, pelo menos, pela maioria dessas partes. Quando tal equilíbrio se rompe, assumindo a contestação formas graves e ou muito expressivas, é preciso que a sociedade política possua mecanismos de regulação para estas roturas, designadamente :

- a re-análise por parte do Governo, com os novos dados do problema ;
- a intervenção da Assembleia da República, no âmbito do seu papel de fiscalização dos actos do Governo ;
- a intervenção do Presidente da República ( PR ).

No caso do actual conflito do ensino, em Portugal, seria de esperar que não fosse preciso passar do primeiro passo atrás referido : o Governo deveria reanalisar o assunto, com calma e ponderação, e introduzir as correcções indispensáveis. Tal como fez na escolha do novo aeroporto, tal como fez no caso da Saúde, pelo menos até certo ponto.
Neste caso, a obstinação de Sócrates e da senhora doutora Maria de Lurdes Rodrigues, não vão permitir tal coisa.
E lá vamos nós para o segundo nível de intervenção, a Assembleia da Republica (AR ).
Aí chegados, um novo obstáculo se levanta : alguém acredita na independência face ao Governo dos deputados eleitos pelo PS ? Pode a AR ser de facto um orgão de fiscalização do Governo, quando o Governo é que “manda” nos deputados da maioria ?
Cada um que responda, a minha resposta é NÃO ou MUITO DIFICILMENTE.
Sendo assim, resta-nos a ultima esperança constitucional de solução de conflitos : poderá o PR chamar o Governo ao bom-senso, forçando-o a olhar a realidade com flexibilidade e a esquecer ódios ( porque de ódio se trata, parece-me ... ) ?
Acredito que sim, Cavaco Silva é pessoa para isso, não impondo, que não está nas suas atribuições, mas convencendo, acalmando, sugerindo ...
Na minha opinião, será nessa instância que as coisas tomarão rumo, de uma forma mais ou menos expressa, provavelmente um pouco encapotada.
Para já, estamos na fase 2. Está agendada a discussão, na AR, no próximo dia 26, de duas propostas ( do CDS e PP, mas o PSD concorda ) para a suspensão da avaliação até ao próximo ano lectivo.
Veremos.

sábado, março 08, 2008

CARTA A UMA MINISTRA MAL AMADA

Digª Senhora Ministra da Educação :

Permita-me V.Exª que lhe explique algo que, pelos vistos, lhe tem escapado, não obstante a argúcia de que V.Exª tem dado mostra : sendo V. Exª uma pessoa dedicada de corpo e alma ao seu País, e, em particular, á nobre causa da Educação, empenhando-se V.Exª com todo o seu ser na identificação dos males do nosso Ensino e na adopção das consequentes medidas correctivas, sendo, portanto, V. Exª uma Ministra que ama o seu País e tão bem compreende as vicissitudes da Educação ... porque é que, aparentemente, 70 ou 75% dos Exmos Professores a detestam e afirmam que V. Exª já não tem mais condições de exercício do seu cargo ?
Suponho que V.Exª tem dado inumeras voltas no seu leito, intrigada, sem conseguir dormir, tentando entender esta intrigante contradição : amando V.Exª tanto o seu País e a Educação, como é que a Educação não ama V.Exª ?

Pois bem, eu tenho e ofereço a V. Exª a chave do imbróglio : a razão pela qual ninguém ama V.Exª esteve hoje bem patente na entrevista que V.Exª concedeu, em directo, á SIC. Afirmou então V.Exª que o facto de terem estado na rua 100.000 professores a protestar contra si é IRRELEVANTE.
Aí tem, Senhora Ministra, porque não a amam : V.Exª é possuidora de um raro dom de insensibilidade humana e política, V. Exª está-se nas tintas para as pessoas que neste momento são professores, V. Exª é fria como o aço, V.Exª não sente nunca empatia, nem respeito, nem consideração ... V. Exª nem se dá conta que, ao afirmar que 100.000 pessoas na rua são IRRELEVANTES, V.Exª desprezou-os totalmente, desprezou a realidade e tornou-se, a si própria, irrelevante.
Afinal, Senhora Ministra, era fácil perceber o segredo : V.Exª ama o seu País e o Ensino, mas quanto aos Professores ... a esses, odeia-os.

Desejo a V. Exa as maiores felicidades. E, sobretudo, desejo-lhe que consiga aprender a gostar dos outros e a não viver em conflito permanente com eles.

sexta-feira, março 07, 2008

HUMILDADE NA GOVERNAÇÃO, PRECISA-SE ...

A senhora ministra da educação bem podia ser uma criatura mais sensata e sensível.
Alguém lhe disse que, para ser ministra, tinha que ser assim, implacável, surda e cega ... acho que a enganaram.
Se foi o senhor primeiro-ministro quem assim a aconselhou, bem mal andou. Embora outra coisa não fosse de esperar, já que também ele padece do mesmo mal.
Digo-vos, sinceramente : por muito medíocre que Portugal seja, estas duas pessoas não nos fazem falta nenhuma como governantes. Assumo claramente : o meu país estaria bem melhor se ambos se retirassem, num rasgo de clarividência e humildade.
Vindas não se sabe de onde, assumem-se na política como semi-deuses que tudo sabem e tudo podem, não se permitindo nunca uma duvida ou uma atitude de consenso, esticando até aos ultimos limites a noção de democracia representativa, desprezando arrogantemente todos os que se lhes opõem.
Pessoas destas, tão enquistadas, tão convencidas das suas poções milagrosas, tão soberbas, tão absurdamente fechadas aos outros, não deviam nunca ser governantes. Falta-lhes a humildade de quem sabe poder estar errado, falta-lhes a tolerância para as ideias dos outros e a sensibilidade para os seus problemas, falta-lhes a paciência dos que sabem operar a mudança, falta-lhes a sabedoria e o instinto de verdadeiros lideres.
Um lider, ainda que conduza a sua gente para ambientes de perigo e sacrifício, é capaz de suscitar entusiasmo e mesmo paixão.
Estes dois governantes, o que conseguem é fazer quase o pleno de entusiasmos e paixões … contra os seus projectos e ideias. Não é assim que se muda nada, a mudança não pode ser feita á força e de afogadilho, por mais votos que se tenham recolhido nas eleições.
A representatividade política, em democracia, não pode excluir o respeito pelas opiniões e legítimos interesses dos outros. Muito menos podem os eleitos retirar aos outros a sua dignidade.
Quando se olha muito para o umbigo não se enxerga o país.

quarta-feira, março 05, 2008

EM RECONQUISTA DA DIGNIDADE PERDIDA

É nova, esta dinâmica de luta e oposição que tem vindo a reunir professores por todo o país.
Sábado iremos assistir a uma grande manifestação, tudo o indica, talvez a primeira da era das novas tecnologias de comunicação.
Telemóveis, correio electrónico, blogues, todos estes novos meios uniram pessoas e ultrapassaram os velhos sindicatos, lentos, legalistas e burocratizados.
Na sua mágoa de iluminado incompreendido, Sócrates vai notar, afinal, que estas coisas das tecnologias da comunicação podem funcionar de muitas formas, umas boas ... e outras igualmente boas, mas para os outros.
Presumo que este venha a ser um dos raciocínios do Primeiro-Ministro, surpreendido por esta atitude daqueles a quem alguém chamou “professorzecos”, na Assembleia da República.
Que eu saiba, ele não lhes chamou isso, mas fez pior : directa ou indirectamente, por processos directos ou mais enviezados, acusou-os de trabalhar pouco e ganhar demasiado, de quererem todos chegar ao topo da carreira, de faltarem muito, de terem horários reduzidos, de serem os responsáveis pelos variadíssimos males do ensino.
Privilegiados, foi a palavra que circulou por toda a parte.
Este Governo fez isso de que o acuso directamente : caluniou os professores. Fez o mesmo com os militares, a quem dedica idêntico desprezo. Fez isso com a generalidade dos servidores do Estado, que assistiram a tudo, atónitos, enquanto viam os Valas deste País tomar de assalto as máquinas de dinheiro ...
Por isso, declaro alto e bom som a minha profunda simpatia pela manifestação de sábado dos professores, em reconquista da dignidade perdida.
Espero que todos eles sintam, bem fundo dentro de si, a dignidade de quem luta, a força de quem não desiste nem abdica de ser português e profissional do ensino.
A todos eles, do fundo do meu coração, o meu grito de solidariedade !
E o meu obrigado. Estão a restituir-me fé no povo português.

terça-feira, março 04, 2008

APOIO OBAMA ... E A MINHA GATA LILI !

Estou farto de política, esta noite. Estou com um olho nas primárias americanas, ando secretamente a torcer pelo Obama, como de resto 3/4 do Mundo, não sei bem porquê. O homem trouxe a palavra mágica mudança e mudança é esperança. Bem, mas dizia eu que entre Obama, a senhora Clinton e a nossa inesquecível senhora ministra da educação, hoje apostei ... na Lili, a nossa gata voadora. Está mais crescida, embora seja pequenita . É de uma raça originária da Turquia, chamada Van Turca, porque o seu habitat originário é nas margens do lago Van. É isso ... e é uma gata totalmente ás avessas das gatas normais e decentes : imaginem que gosta de água, gosta de se equilibrar em cima das ombreiras das portas ... e gosta de derrubar para o chão tudo que apanha em cima de mesas e armários. Uma doçura ! Nem tudo é mau : é uma gata muito faladora e gosta muito de estar onde nós estamos, faz uma boa companhia. Mia que se farta, embora me seja ainda dificil perceber a sua linguagem. Excepto quando me acorda, ás 6 ou 7 da manhã, a miar desalmadamente aos meus ouvidos ou a puxar-me um dos braços para fora da cama. Aí percebo bem : quer uma latinha de salmão ou coisa do género. E as unicas alternativas que me restam são expulsá-la do quarto e fechar-lhe a porta ... ou ir-lhe dar mesmo a latinha, porque de resto é uma chata do caraças e não se cala !
Para que possam apreciar um pouco da Lili, mostro-vos hoje um video que fiz com ela, a partir da minha webcam. O video não ficou famoso, mas ainda assim podem vê-la a tentar destruir á dentada a antena do meu router wireless de ligação á internet. É mesmo uma gracinha !
E por hoje é tudo, fiquem-se com a Lili, sim ?
( clicar na seta para ver o video )

video
A AVALIAÇÃO DE PROFESSORES E OS APRENDIZES DE FEITICEIRO

Paula é professora de Matemática do Ensino Secundário. Jovem ainda, vai nos seus 35 anos e quase 12 de profissão. É uma professora devotada, prepara as suas aulas, elabora os seus testes com todo o cuidado. É também exigente, acredita nas virtudes do trabalho, passa TPC, corrige-os sempre e procura dar o máximo apoio aos seus alunos. Alguns, porém, por atrasos impossíveis de recuperar, outros por nítida falta de esforço e trabalho, ficam-se pelas notas fraquinhas,muito fraquinhas, mesmo.
Paula é mãe de 2 filhos ainda pequenos e, ocasionalmente, tem que faltar para dar apoio aos filhos, embora se esforce para compensar o tempo perdido e acabe sempre por cumprir as metas do programa. Não é muito comunicativa, a nossa Paula, e apesar de ter algumas amigas, prefere dar as suas aulas e , após isso, isolar-se na preparação das aulas seguintes, a ver testes, etc ... Paula é uma mulher-lider, não obstante a sua idade, criando sempre um ambiente de respeito na sua sala de aulas, embora onde talvez se respire um pouco de tensão reprimida.
A Escola da Paula desenvolveu dois grupos distintos de grelhas de avaliação. Dois conjuntos de factores.
O primeiro usa os seguintes factores : planeamento das aulas, assiduidade, ligação á comunidade, resultados na progressão dos alunos e capacidade de empatia na sala de aula.
O outro escolheu planeamento das aulas, cumprimento do programa, adesão ás iniciativas extra-curriculares da Escola, resultados na progressão dos alunos e capacidade de liderança na sala de aulas. Todos os factores têm igual peso e uma escala de valores de 1 a 10.
Vejamos como foi ( ou podia ter sido ) avaliada a Paula.


Num caso, a Paula teria uma boa avaliação, enquanto que no outro a avaliação seria para o fraquito.
Qual seria a diferença ? A Paula é a mesma, o seu trabalho é o mesmo, os avaliadores até teriam sido os mesmos ... então ?
A grelha de avaliação NÃO foi a mesma !!!! E a "habilidade" da Paula na escolha dos objectivos também não foi a mesma ...
AH, CLARO, A GRELHA DE AVALIAÇÃO ... pois é, é apenas o factor mais importante e decisivo de qualquer sistema de avaliação. Também é o mais complexo e dificil de escolher. Andei envolvido num projecto de sistema de avaliação em que esse trabalho nos levou cerca de ano e meio !!!
Então agora PASME-SE : A GRELHA DE AVALIAÇÃO FOI REMETIDA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PARA TRABALHO DAS ESCOLAS .... a fazer em algumas poucas semanas !!!
Assim mesmo : as Escolas que façam esse trabalho. Mesmo sem perceberem nada de avaliação e dos multiplos cuidados a ter no desnvolvimento de uma grelha de avaliação. As Escolas que escolham umas quantas de uma lista fornecida ...
Claro que não vão existir duas grelhas iguais. Claro que estará á partida comprometida a equidade no tratamento dos professores. Claro que só por acaso é que surgirão grelhas boas nas Escolas ... o Ministério da Educação fugiu do trabalho mais complicado, mais delicado e que mais controvérsia poderia suscitar.
Para mim, ao atirar esta responsabilidade para as Escolas, tirou coerência, credibilidade e mais do que isso, LEGITIMIDADE, a todo o Projecto.
A avaliação de Professores NUNCA deverá avançar nestes moldes, por estar ferida de morte na sua concepção inicial.
Nunca deve ser tarde demais para tornar boa uma coisa má.
Ou é mais importante que a Srª Ministra e o Sr. Primeiro-Ministro não percam a face ?

segunda-feira, março 03, 2008


ESTA MINISTRA DA EDUCAÇÃO ESTÁ ERRADA !

A Educação funciona mal, em Portugal, em todos os níveis. Há mais de 40 anos que começou a entrar pelo cano ... e eu tenho sido espectador atento, diga-se.
O sistema está hoje em colapso quase completo e não há sinais de recuperação. Nem sequer de um início de recuperação. Não há qualquer esperança para a educação no nosso País, nos próximos tempos. Acham que sou pessimista ? Vejamos.
O que é educar ? É assim algo tão extraordinário e dificil ?
Claro que não. Educar é apenas um processo que os humanos inventaram para transmitir, de geração em geração, conhecimentos e atitudes, em muitas áreas ; é apenas uma forma de evitarmos recuos no saber e no saber fazer. Nos primeiros tempos do homem, esta transmissão era feita dentro dos clãs, na tribo, a partir dos pais, mães e de todos, no fundo, ao mesmo tempo que as coisas iam acontecendo.
Mais tarde, descobriu-se uma forma diferente e muito mais especializada para a transmissão do saber : a escola. Arranjava-se um espaço, metiam-se os putos lá dentro, punha-se um professor com uma chibata á frente dos alunos, ele falava e os putos ouviam e repetiam, era a escola no seu paradigma inicial.
Foi um descanso ! Essa invenção poupava os pais do trabalho de ensinar os meninos, agora era só verificar, á noite, se eles tinham aprendido alguma coisa ou não ... excelente.
O tempo correu, os pais cada vez mais ocupados e com menos tempo, as escolas cada vez maiores, os conhecimentos a transmitir cada vez mais numerosos e complexos !
Não me vou meter por essa discussão, mas o importante é que hoje há milhões de bits de informação, provindos de cada vez mais áreas humanisticas e técnicas, que queremos meter nas cabeças de um numero cada vez maior de putos, pelos processos habituais ... mas a um custo cada vez menor e, se possível, num tempo mais curto.
Ainda por cima, queremos fazer isto sem dor nem suor, como se de um jogo de computador se tratasse, sem necessidade de estudo e de reflexão.
Mais, tudo isto num ambiente em que, no fundo, ninguém está disposto a mexer uma palha, lá em casa, para ensinar aos meninos a ser disciplinados, a trabalhar, a respeitar os professores, etc ... Quanto a essa de respeitar os professores, até se vive exactamente ao invés, tentando a todo o custo que os putos percam todo o respeito por eles, seja por via dos estatutos de alunos seja a desacreditar publicamente os mesmos.
Bom, seja como for, esta é a situação a que se chegou. Um caos, de facto. Há que mudar paradigmas, formas de resolver o problema, sei lá ...
E é aqui que se revela o génio deste Governo e desta Ministra : olhando esta realidade, o Governo achou que se devia mexer ... nas regalias dos professores. ( Lembram-se do cientista maluco que ia cortando as pernas a uma rã, uma a seguir a outra, e depois assustava a rã com um grito, fazendo a rã saltar ? Esse tipo concluiu que a rã, quando se lhe cortava a quarta pata, fica ... surda. )
Está-se mesmo a ver : o ensino está a desordem, o caos que está, não é ? Tumba, tira-se da cartola os professores titulares, com um novo estatuto dos professores em que só metade é que irá progredir, fixam-se quotas, faz-se á pressa um sistema de avaliação côxo e atamancado, cuja unica preocupação é legitimar a não-promoção dos professores, edita-se um novo estatuto do aluno ( que logo depois se suspende ) decretando-se que podem faltar á fartazana sem consequências, etc ... etc ...
Como podem ver, se tiveram paciência de ler até aqui, tudo medidas apropriadíssimas, apontadas ao cerne do problema ! Com medidas destas, o ensino vai mesmo melhorar, caramba, são medidas inteligentes, bem vistas, próprias de pessoas excepcionalmente dotadas para estas coisas do ensino !
Agora notem o requinte : sabendo á partida que os professores são gente esconsa e fugidia, sempre prontos a boicotar o ensino, o ministério adoptou desde o início uma postura própria de um ministro das cadeias a legislar para com os reclusos : força na marreta e eles que se lixem, não queremos saber deles para nada ! Uma simpatia, medidas bem discutidas e acertadas com os professores, cuidado na defesa do seu estatuto de vida, tudo com uma enorme simpatia e respeito, não me venham dizer o contrário !

Pois. E é exactamente por causa disto tudo que os professores agora dizem ( e ainda vão dizer mais ) BASTA !
É que, seja eu de que partido for ( nenhum ), não sou estúpido, e não consigo encontrar em NENHUMA das diversas medidas do Ministério uma preocupação sincera com a degradação do ensino.
Apenas encontro a preocupação de reduzir a factura com o pessoal, no Ministério. Misturada com uma espécie de raiva surda e inconfessada contra eles, os professores.
Sabem, não posso deixar de lhes dar razão, não posso deixar de os aplaudir, não posso deixar de lhes gritar : FORÇA, rapaziada, FORÇA, professores, LUTEM PELA DIGNIDADE QUE VOS É DEVIDA !

domingo, março 02, 2008

PARA QUE RAIO SERVEM AS ASSOCIAÇÕES DE PAIS ?

Leitor : acha que existem mais professores ou pais de alunos ? Hem ?
Pais ? Se calhar, existem 30 ou 40 pais e mães para cada professor.
Pois bem : li no jornal de hoje que se reuniu, em Gondomar, uma qualquer Confederação de Pais, juntando a extraordinária quantidade de 300 pais/mães, em representação de cerca de 200 associações de pais em todo o País…
A notícia ocupava quase 2/3 da página do jornal e dava conta que esses interessados pais achavam muito bem a actuação da srª Ministra e das suas reformas e aconselhava os senhores professores a abandonar as suas atitudes de luta.
Boa : 300 pais, reunidos em Gondomar, acham que mais de 20 ou 30.000 professores que se têm manifestado em todo o País por estes dias são mentecaptos, irracionais e que quem tem razão é a senhora Ministra.
É desolador : quando as pessoas deixam de ter liberdade de opinião e preferem ser mensageiros acéfalos dos seus partidos é nisto que dá.
Então mas aqueles senhores da Federação ou Confederação ou lá o que é ainda não perceberam que não deviam falar em nome dos pais dos alunos deste País, tão reduzida é a expressão da sua representatividade ?
Nestas pequenas questões, como nas grandes, os portugueses não abandonam as suas poses seguidistas e ridículas.
Pronto, já muitos me irão bater, mas eu quero que se lixe : esta cena fez-me lembrar o início da UGT .
E mais não digo, porque não me apetece.

sábado, março 01, 2008


OS FAMOSOS E AS CAUSAS HUMANITÁRIAS
De há uns anos para cá, as Nações Unidas têm recorrido aos célebres deste nosso mundo para missões de ajuda humanitária.
Trata-se de uma actividade que essas pessoas abraçam empenhadamente, segundo parece.
A minha proposta de hoje é aproveitar essas actividades para suscitar uma discussão, muito simples na sua formulação, mas que pode servir para mostrar como é difícil, tantas vezes, formar uma opinião fundamentada sobre a realidade.
Antes de mais, notemos que os factos apresentam diferentes valorações consoante o local onde nos situemos :

- Se estivermos do lado das Nações Unidas, a medida é inteligente e não duvido que tenha algum impacto : a notoriedade dos e das embaixadoras escolhidas garante a presença nos meios de comunicação de todo o Mundo do problema para o qual se pretende chamar a atenção ;

- Do lado das celebridades escolhidas, o terreno é mais movediço. Podemos admitir que algumas dessas pessoas sejam sensíveis, de facto, às atrocidades humanitárias que presenciam; ainda assim, parece insofismável que para eles advém igualmente um acréscimo de popularidade, potenciada pelo facto de se tratar de uma actividade que a opinião publica valoriza grandemente ;

Após esta análise, poderemos afirmar que, com estas iniciativas, todos ganham ? As Nações Unidas, as vítimas das atrocidades e ... as próprias celebridades.
Assim parece.

E contudo, porque é que ainda sinto uma certa crispação quando leio notícias destas ?
Então, hoje, neste Mundo maluco e desnorteado, para que uma causa justa seja conhecida, para levar as pessoas a preocuparem-se com o que se passa á sua volta, é preciso ouvirem a Angelina Jolie ou o Brad Pitt ou a Maddona a falar disso ?

Valha-me Jesus Cristo, que apesar de tudo, dentro das celebridades, ainda é aquela que mais admiro e em quem mais confio : tem outros méritos, não faz filmes, não canta e, ao que parece, nunca foi a Hollywood.