segunda-feira, agosto 23, 2010




Ahhhhh ... mas então a outra, a medicina deste senhor, não se tornou também num grande negócio ?
Então qual é o problema ? Defesa da nossa saúde ou tentativa de evitar a concorrência ?

.
.
.
.
.
.
.
.

terça-feira, agosto 17, 2010

GET BACK TO WHERE YOU ONCE BELONGED

Leia primeiro e depois veja o video !
Dizem que a letra dessa música, que manda alguém voltar para o lugar de onde veio, foi escrita pelo Paul Mc Cartney, para chatear a Yoko Ono, aquela esquisitíssima mulher que deu a volta ao miolo do John Lennon, e de que ninguém no grupo gostava para além do J. Lennon. O vídeo mostra a gravação em estúdio e as trocas de olhares entre as personagens são muito interessantes.
Este vídeo foi achado nos escombros da antiga gravadora dos Beatles, (Abbey Road Studios) e mostra uma sessão de gravação de uma famosa música dos Beatles (GET BACK), já no crepúsculo do grupo.
Mais histórico ainda: vêem-se dois artistas individuais na gravação, hoje consagrados: participando como teclista das gravações, o grande pianista negro americano Billy Preston (que, posteriormente, faria uma carreira a solo brilhante); e assistindo (pasmem!) à gravação - lá pela altura do minuto 02:11 - o líder de um grupo que já começava a fazer sucesso como substituto natural dos Beatles, Mick Jagger!
Para além do natural enlevo de quem contempla estes jovens e revive o seu próprio tempo, como é o meu caso, que tenho a mesma idade do Paul Mc Cartney, aproveite para ouvir uma canção simples e cheia de ritmo, que poderia muito bem ser aplicada a outros personagens do nosso tempo, e da nossa pátria, quiçá políticos dos quais estamos fartos !
Get back to where you once belonged , Jo Jo ... eH eh eh eh eh ...

video

quarta-feira, agosto 11, 2010

TEIMOSIA MINHA OU LEVIANDADE DE ALGUNS ?

Vem-me acontecendo isto com bastante regularidade, e eu já nem tenho a certeza de nada. Entre conhecidos, discutindo isto e aquilo, vejo pessoas que emitem opiniões muito longe da realidade ( pelo menos daquilo que para mim é a realidade ), com o maior dos à vontades, assumindo completamente o direito à opinião expressa, ainda que saibam muito bem, lá por dentro ( acredito eu, se assim não for ainda é pior ) que a sua opinião é mal fundamentada ou não fundamentada de todo.
Creio que a atitude tem a ver com o amor próprio, com a vontade de realçar o seu papel na sociedade, uma série de coisas dessas, que também a mim importam.
A diferença, muitas vezes, é que eu gastei muitas horas de leitura e meditação, ou longos anos de prática profissional, antes de emitir essa opinião e vejo que os outros falam apenas por ouvir dizer ou, em alguns casos, por anos de actividade profissional sem qualquer enquadramento doutrinário ou legal.
Estas circunstâncias sempre me irritaram. Nas conversas de restaurante ou de café, somos todos peritos em tudo, desde a política ao futebol. Eu também.
A verdade é que nunca aprendi a calar-me, nestas ocasiões, e frequentemente me vejo envolvido em disputas parvas, no meio de argumentos de duvidosa racionalidade, irritado, quase aos berros.
Depois, fico chateado e cansado, mas o mal está feito.
Estou farto disto. Estou farto destas situações. Estou também farto ( e magoado ) que pessoas que me são próximas se coloquem em oposição a mim, sistematicamente, não pelo valor dos argumentos em si mas apenas porque acham que não se deve falar alto numa discussão.
Para falar verdade, acho que abuso, por vezes, da minha impaciência e má-educação. Porém, também é verdade que já descobri, por mim, que hoje ninguém gosta de aprender com ninguém e que todos se acham qualificados para falar de tudo em pé de igualdade com os outros. Já não existe modéstia nem vontade de aprender, só existem direitos de igualdade e de livre expressão de opinião.
A excepção é quando algum tipo fala na TV. Aí, dá a ideia que essa pessoa passa automaticamente a ser invadida por uma auréola de sabedoria omnisciente. Essa pessoa passa a ser importante. Como o engº Sócrates antes de ser presidente do PS, nas suas conversas na TV com o dr Santana Lopes, outro candidato a iluminado, por falar na TV.
Se não falarmos na TV, somos iguais a todos os outros, quaisquer que sejam os nosso argumentos.
Para mim, esta história é apenas uma das corrupções introduzidas pela democracia : se o meu voto vale o mesmo que o teu, então a minha opinião é tão boa como a tua.
E não me convences do contrário. JAMAIS.

.

segunda-feira, agosto 09, 2010

AS MAFIAS DO GÁS - 2

Voltemos então à história tenebrosa das mafias do gás em Lisboa.
O que vou narrar é real, verdadeiro e muito recente.
Para resolver um problema de estanqueicidade num troço de 3 a 4 metros de tubagem na sua loja, a minha amiga chamou um responsável de uma firma credenciada pela GDL. O senhor X. veio, viu a natureza do problema, disse que iriam resolver aquilo injectando uma resina XPTO e propôs 620 euros. A tal resina devia incluir compostos de ouro ou platina.
A minha amiga achou muito, telefonou-lhe e ele baixou para ... 600 ! Generoso, o homem. No dia seguinte, à hora combinada, aterra uma carrinha à porta da loja, entram na loja dois tipos novos e inquirem, ameaçadoramente : "Quem é que nos vai pagar ? Nós recebemos sempre à partida, são 250 euros mais IVA ! ".
Bem, a minha amiga, fosse pelo tom brusco e de ameaça ou pelo facto destes falarem em 250+IVA enquanto o "outro" falava em 600, disse logo que sim e pagou-lhes.
Uma horita depois, com a tubagem já "enresinada", os rapazes entregam a factura / recibo e o termo de responsabilidade e põem-se na alheta.
No dia seguinte, a fiscalização do gás vem e declara a questão solucionada, podem abrir o gás !
Eis que a minha amiga, intrigada, recebe um telefonema do senhor X, o tal dos 600 euros, com uma conversa mole do tipo "Então sabe que já tem gás ? O problemazinho já foi resolvido ... ". E a minha amiga : "Ah, sim, pois foi, até tenho um recibo do trabalho e o certificado de responsabilidade, tudo por 250 euros + IVA ... ".
O senhor X fica um pouco atrapalhado, faz uma tosse seca e despede-se, dizendo que há-de passar pela loja para explicar tudo ... Pois, então passe, diz a minha amiga.
Não creio que possa explicar nada que já não saibamos : uma pequena firma, a quem ele encomenda trabalhos, levou 250 euros mais IVA por um trabalho pelo qual ele iria cobrar 600 !!!! Esqueceu-se de avisar os capangas, o sr. X ! Imperdoável !
São 100 % de lucro, apenas por arranjar trabalho aos outros, aos seus subempreiteiros que, com a pressa de receber, revelaram logo todo o esquema.
E é assim que vamos vivendo, neste mundo de grandes e pequenos tubarões, onde toda a gente tem ordem não para matar, como o 007, mas para roubar, da forma que puderem.
Que me dizem a isto ? Não temos uma sociedade maravilhosa ?
.
.

domingo, agosto 08, 2010

TONTICES, INCOMPETÊNCIAS & INCONGRUÊNCIAS

Com a idade, fui-me desinteressando de fenómenos mais imediatos e, em compensação, dou comigo a pensar em coisas simples, mas de escala nacional.
Cheguei à conclusão, por exemplo, que Portugal é um verdadeiro repositório de coisas que não fazem sentido. Nada parece jogar certo.
Querem ver ?
Temos um salário nacional mínimo de 475 euros, mas um bilhete de ingresso para o Jardim Zoológico custa 25 euros, um bilhete de futebol anda pelo mesmo preço e uma refeição normal modesta nunca menos de 10 euros. Um gestor de topo atinge facilmente 10.000 euros ( fora prémios, cartões e carros ) e um Juiz 5, 6 ou 7.000.
Os transportes públicos são relativamente baratos, mas a CP, o Metro, a Carris e todas as outras empresas públicas do sector vivem com dívidas de milhares de milhões de euros. Os hospitais não param de nos surpreender, sejam os públicos sejam os de gestão empresarial ou os de parcerias público-privadas : mais uns milhares de milhões de dívidas. As autoestradas são um mistério para mim, não percebo onde iremos buscar dinheiro para manter toda esta asfaltagem desenfreada.
A Justiça, cujos agentes não se podem queixar de ganhar pouco, está quase totalmente paralisada e não se vê jeito de mudança. A Procuradoria-Geral da República é uma instituição onde, ao que parece, cada um faz o que quer e a mais não é obrigado. Incluindo proteger os amigos.
Mas que raio se passa connosco, afinal ?
Somos, de facto, muito maus a organizar e muito pouco produtivos no trabalho ? Ou temos empresários da carochinha e, ainda por cima, forretas e egoístas ?
Os nossos trabalhadores têm baixa produtividade ou os nossos empresários é que não investem um euro em equipamentos, inovação e processos de trabalho ? Ou acham que os empregados é que devem fazer isso ?
Muitas coisas não podem ser pagas a preço de custo ( os bilhetes para os transportes públicos ) porque ficariam muito caros ou somos nós que temos uns salários de miséria ?
A "história" que muitos economistas nos querem vender, que não podemos pagar salários mais altos por causa da baixa produtividade, não se aplica aos empresários e gestores ? Esses têm sempre altíssimas produtividades ?
Que vai Portugal fazer no futuro, depois de termos placidamente assistido à destruição da nossa agricultura e das nossas pescas ? Vamos todos para o turismo, servir à mesa no Algarve ?
Uma ultima questão : não é para pensar NESTAS COISAS E DAR-LHES SENTIDO QUE PAGAMOS A GOVERNANTES, PRESIDENTE DA REPÚBLICA E DEPUTADOS ? Aparentemente, tem sido dinheiro deitado à rua.
É tudo assim tão difícil ? Com todos os diabos, meus caros senhores, quando é que alguém mostra que tem uma ideia de conjunto para este País desengonçado e envergonhado ?
Ou a culpa, afinal, é da Constituição ???

quarta-feira, agosto 04, 2010

A MAFIA DO GÁS NATURAL ou O ABUSO PERMANENTE DO CONSUMIDOR

Aqui há uns anos atrás, alguns empresários, escudados no poder político, eternamente desinteressado da defesa do interesse público, decidiram introduzir em Portugal o gás natural. Ou vice-versa, pouco me interessa agora. Em vários locais do País, designadamente em Lisboa, já existia uma rede de distribuição do chamado "gás de cidade". A grande maioria dos prédios da capital dispunham de redes para este tipo de gás, ou em chumbo ( as mais antigas ) ou em tubo galvanizado.
Quando da introdução do gás natural, prometeram-se mundos e fundos, mas a verdade é que NÃO FORAM EXECUTADAS NENHUMAS BENEFICIAÇÕES OU SUBSTITUIÇÕES DAS REDES DE GÁS DOS PRÉDIOS DA CIDADE ! Não era preciso, afirmavam, o gás natural trabalhava à mesma pressão do gás de cidade !
Toda a gente engoliu esta inverdade. A verdade, verdade, que se tem vindo a revelar dramaticamente ao longo destes últimos anos, é que o gás natural é um gás seco, ao contrário do gás de cidade. Este último, com a humidade que lhe estava associada, garantia a estanqueicidade das canalizações, muitas delas com uniões feitas à custa do velho fio de sisal que só é eficaz enquanto húmido.
Lembro-me que, colocado o assunto na Assembleia da República, a GDL garantiu que iria "humidificar" o gás natural, para evitar a proliferação de fugas nas velhas redes da cidade.
Cumpriram o prometido ?
NUNCA !
Diariamente, um pouco por toda a cidade de Lisboa, a GDL obriga os consumidores a ensaios das suas instalações, que invariavelmente chegam à conclusão de que existem quebras de pressão, vulgo fugas. Ao darem essa triste notícia ao cliente, juntam logo uma lista de firmas reparadoras, dizendo ao cliente para telefonarem. Em resumo, há largas dezenas de famílias em Lisboa, TODOS OS DIAS ( gostava de saber quantas ) a serem exploradas, pagando a essas firmas largos milhares de euros que deveriam ter sido despesa da GDL. Ninguém lhes pediu o gás natural, meu Deus, o gás de cidade era perfeito e nunca havia fugas !!
Em simultâneo com a introdução do gás natural, deu-se a criação de centenas de firmas para reparação das tais fugas que toda a gente do meio sabia que iam aparecer. Ao mesmo tempo, criaram mais uma quantidade de entidades inspectoras, para fiscalizar o trabalho das outras. Tudo coincidências curiosas. Umas e outras firmas numa obscena mistura cruzada de capitais, acabando todas por pertencer ou ter interesses umas nas outras.
O "cozinhado" continua diariamente, toda a gente já percebeu o que eles fazem e fizeram mas ninguém tem alternativas, se quiser continuar com o gás natural.
Conheço pessoas e até restaurantes que, cansados desta tourada e desta exploração, se viraram para o "tudo eléctrico" ou mesmo para o gás propano, em depósitos industriais.
Enfim, negócios à portuguesa, com tudo o que esta expressão implica de irresponsabilidade e de falta de vergonha.
A MAFIA do gás natural, em Lisboa, não é nada natural, amigos, é mesmo uma mafia totalmente artificial que todos nós toleramos por indiferença e comodismo.